São Paulo acerta o pé e bate São Bernardo

Time faz gol até sem querer, com Dagoberto, e segue com 100% de aproveitamento. Pouca gente vai ao Morumbi

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2011 | 00h00

Segurança defensiva, bom toque de bola, gols. O São Paulo mostrou organização, desenvoltura do ataque mesmo sem um centroavante fixo e não decepcionou os poucos torcedores que apareceram no Morumbi. Bateu o São Bernardo por 3 a 0, manteve 100% de aproveitamento e a liderança da competição ao lado de Santos e Americana.

O técnico Paulo César Carpegiani surpreendeu. Treinou toda a semana com Fernandinho na formação titular, mas, quando o jogo começou, o atacante havia perdido lugar para Carlinhos Paraíba. Uma formação mais cautelosa, talvez para estudar do que era capaz a novata equipe do São Bernardo, que venceu ao estrear em seu primeiro Estadual na divisão de elite - 3 a 1 sobre o Grêmio Prudente. O ataque só contou com Fernandão, que ainda não tem condições físicas de suportar os 90 minutos, no final do jogo.

Mas nem precisou de um finalizador nato para o São Paulo logo mostrar para o São Bernardo que era preciso um pouco mais do que simples empolgação para causar uma surpresa no Morumbi. Está certo que foi meio sem querer. O que conta, enfim, é que Dagoberto marcou o primeiro gol logo a quatro minutos de partida. Marlos tocou, ele quis dominar, a bola bateu na canela e entrou. Tem sorte o camisa 25. "Tenho de admitir que fui dominar e ela escapou. Valeu pelo gol", disse um bem-humorado Dagoberto.

Se ainda não se pode cobrar grande futebol de equipes que se reencontraram com os gramados há duas semanas, pode-se constatar que, pelo menos, o São Paulo jogou de forma bastante organizada. Depois do gol de Dagoberto, ressentiu-se de um autêntico camisa 9, é verdade. Mesmo assim, teve amplo domínio. Só não chutou muito a gol.

O domínio, no entanto, não dá imunidade a sustos. No primeiro tempo, Miranda rebateu uma bola para cima e, na disputa de bola, Eliomar e Rogério Ceni se enrolaram no ar. Enquanto ambos caíam no chão, a bola morria na rede. Podia ter sido o gol de empate se o juiz não tivesse marcado falta no goleiro. Duvidosa.

O pouco que o São Paulo finalizou foi mais do que suficiente. Antes do intervalo, após jogada de Ilsinho, Marlos aumentou o placar. "A gente se movimenta bastante e cria chances de gol", comentou o "artilheiro" são-paulino - marcou apenas seu sexto gol pelo clube ontem. "É uma jogada que o Carpegiani treina bastante. Tivemos sorte de ter um jogador livre na área", contou o autor da assistência.

Segundo tempo morno. Com vantagem confortável, o São Paulo diminuiu o ímpeto. Deu espaço para o São Bernardo chegar com mais perigo ao ataque, mas nem tanto assim. Porque ainda deu tempo de aumentar a diferença. Méritos de Fernandinho, que entrou, driblou um zagueiro e marcou o terceiro gol do time no jogo..

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.