São Paulo amarga 2ª derrota seguida

Time de Ricardo Gomes joga até bem o segundo tempo, mas não evita o revés em Salvador: Vitória faz 3 a 2

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2010 | 00h00

Na preparação para jogos decisivos pela Libertadores e Copa do Brasil, respectivamente, São Paulo e Vitória não se pouparam ontem em Salvador. No gramado irregular do Barradão, travaram um duelo acirrado, em que a eficiência dos baianos fez a diferença no triunfo por 3 a 2 sobre o time de Ricardo Gomes. Mesmo lutando até o fim, o Tricolor não evitou a segunda derrota seguida no reinício do campeonato.

"Temos uma semana e meia até o jogo da Libertadores. Hoje foi parecido com jogo de Libertadores, uma jogo pesado. Ainda temos de corrigir alguns detalhes", disse Fernandão. Antes mesmo do apito final, o São Paulo sentiu que não seria fácil bater o bom time do Vitória na casa do rival. "Vamos ter dificuldade, o gramado está molhado e pesado", disse Marlos.

E o campo esburacado fez mesmo a diferença, em um jogo que teve muitos lances pelo alto. A elogiada zaga do São Paulo, sem Alex Silva, não teve a mesma qualidade e levou dois gols de cabeça. Segue sem marcar pontos neste reinício.

Pressão inicial. O São Paulo começou o jogo com Richarlyson como volante e ficou exposto. Aos 11, Rogério Ceni salvou grande chute de Egídio. Aos 13, Ceni não teve chance. Egídio achou Elkeson na área e, entre a zaga são-paulina, o atacante subiu sozinho para abrir o placar. Com a pressão sofrida, Ricardo Gomes recuou Richarlyson e voltou à formação com três zagueiros.

A partir daí, o time conseguiu reequilibrar a partida. Abusando do chutão, conseguiu a igualdade em uma das poucas vezes que chegou no toque de bola. Aos 38, Jean fez boa jogada pela direita, tabelou pelo meio com Marlos e chutou forte da entrada da área para empatar.

Satisfeito com o resultado, o São Paulo foi para o vestiário disposto a manter postura defensiva . "O campo deles é um pouco enlameado e prejudica o nosso jogo. Não dá possibilidade de tocar", disse Hernanes. "É melhor lançar direto para o ataque."

A igualdade, porém, foi desfeita logo após o intervalo. Com menos de dois minutos, o time da casa voltou a vencer a zaga são-paulina pelo alto. Marcado pelo baixinho Junior Cesar, Schwenck completou de cabeça um cruzamento da esquerda para colocar o Vitória em vantagem.

Aos 12, a defesa do São Paulo voltou a bobear. Em bola mal afastada, Ramón tabelou com Schwenck e, sozinho com Rogério Ceni, tocou no canto esquerdo para ampliar. Aos 16, Fernandão marcou de cabeça após cobrança de escanteio e renovou a esperança do Tricolor.

Até o fim, o time pressionou e chegou a perder chance incrível com Hernanes aos 36, debaixo do travessão, mas não conseguiu evitar o segundo tropeço consecutivo na competição.

JOGO DISPUTADO

FERNANDÃO

Atacante do São Paulo

"Parecia um jogo de Libertadores. Temos de corrigir detalhes"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.