São Paulo aposta na garotada

Aislan e Jean devem continuar como titulares contra o Figueirense

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

30 de julho de 2008 | 00h00

Com dificuldades para escalar a defesa e o meio-de-campo são-paulino, o técnico Muricy Ramalho resolveu apostar nos meninos. O zagueiro Aislan, 20 anos, e o volante Jean, 22, que iniciaram o jogo contra a Portuguesa (vitória por 3 a 1), no domingo, devem permanecer no time hoje contra o Figueirense, às 21h50, no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Acesse e acompanhe os jogos de São Paulo e Santos às 21h50Os dois jogadores foram elogiados pelo treinador, convicto de que a hora é de cautela para que não se sintam muito pressionados. Por isso, a precaução de escalá-los dentro de casa, no Morumbi, a fim de um contato mais próximo com a torcida. "Para lançar os garotos é preciso ter muito cuidado, senão acabamos queimando etapas." Curioso é que Muricy não pretendia utilizá-los mesmo com a ausência dos zagueiros Alex Silva e Miranda e do volante Hernanes. "Não é hora para lançar nenhum garoto", disse, antes da partida com o Internacional, na semana passada. Mudou de idéia porque Juninho falhou muito naquele jogo (derrota por 2 a 0). Mas Muricy não se arrependeu. E deu chance a jogadores que passavam por um momento de descrédito na equipe. Antes de jogar contra a Lusa, Jean subiu para o time profissional do São Paulo em 2005 junto com Hernanes. Disputou apenas uma partida naquele ano, a derrota por 2 a 1 para o Santos, e saiu de cena. "Sinto que agora estou tendo a grande chance da minha vida", disse Jean. "Em 2005 eu não me sentia parte do elenco como estou me sentindo agora. Não posso desperdiçar esta oportunidade." Aislan estava com Breno (atualmente no Bayern de Munique) no time vice-campeão da Copa São Paulo de Juniores em 2007. Teve uma oportunidade entre os profissionais na segunda rodada do Brasileiro deste ano. E só. "Jogar ao lado do Rogério Ceni, um ídolo meu, por exemplo, é muito emocionante."Depois do início, Muricy passou uma lição para os dois e o restante do elenco: não levar em conta a derrota de goleada do Figueirense para o Grêmio (7 a 1), na semana passada. "Foi uma situação atípica", resumiu. "O time deles é bem organizado. Será um jogo duro."GOLEADA AINDA DÓIO jogo contra o São Paulo será o reencontro do Figueirense com seu torcedor depois da derrota para o Grêmio. "Aquela partida deve ser esquecida. Temos que tirar o que fizemos de errado e procurar consertar para que não aconteça de novo", disse o atacante Helton Luiz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.