São Paulo celebra: o capitão voltou

Depois de quatro meses afastado, Rogério enfrenta o Fluminense

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

19 de agosto de 2009 | 00h00

A torcida que se habituou a gritar "o campeão voltou!"em cada uma das últimas seis vitórias consecutivas do São Paulo terá, hoje, às 21h50, contra o Fluminense, no Morumbi, motivo para redobrar o fôlego e a esperança. Bicampeão mundial e da Taça Libertadores e tri brasileiro, Rogério Ceni está recuperado de fratura no tornozelo esquerdo e faz sua primeira aparesentação pelo time no campeonato. Siga online os jogos de hoje do Brasileirão, a partir das 19h30"O mais importante de tudo é voltar a ver o Morumbi cheio me dando apoio de novo. Sinto um frio na barriga, mas não estou ansioso", afirma o goleiro. "É preocupante voltar, a gente não sabe como vai ser", reconhece. "Espero que possa retornar melhor do que antes. Por isso, fiz questão de treinar em campo molhado um dia antes do jogo. No dia em que não sentir mais essa preocupação, é porque não tenho mais interesse em jogar futebol."O capitão consegue retornar dentro do prazo mínimo previsto pelos médicos tricolores: quatro meses e seis dias. Desde 13 de abril, ficou de fora de 24 partidas, passou um mês praticamente isolado em casa e depois retomou aos poucos a sua rotina de goleiro do São Paulo, mesmo que muitos tenham chegado a prever o final de sua carreira quando sofreu a lesão. "Aos 36 anos, me sinto bem jovem ainda", conta Rogério. "Não foi tão difícil de me recuperar. A força de vontade e as condições de recuperação, a estrutura que tive à disposição. Tudo isso contribui", admite. "Claro que em alguns dias eu baixava a cabeça. Mas sempre recebi muita força nesse tempo todo (foram quase 5 mil e-mails de fãs). Isso reconforta e dá ânimo."O maior tempo de inatividade da carreira, por outro lado, proporcionou um tempo maior de convívio familiar, um ponto positivo destacado pelo goleiro como causa da ágil recuperação. Rogério ainda pretende levantar outra taça diante das filhas gêmeas Beatriz e Clara. "Aos 4 anos, elas começam a entender melhor as coisas", explica o capitão. "Gostaria de mostrar para elas um pouco de tudo que já fiz, para que elas pudessem entender um pouco desses 19 anos de carreira e vissem o pai de novo campeão."Sentiu-se totalmente preparado para voltar, porém, somente antes do jogo contra o Sport, domingo, embora tenha decidido ficar fora daquela partida por precaução. "Fiz um coletivo antes do jogo contra o Goiás (dez dias atrás) e senti um desconforto", lembra o camisa 1. "Depois, antes da partida diante do Sport, me senti 50% melhor. Mas, como estava treinando em dois períodos, estava cansado e preferi não arriscar."RODRIGO TAMBÉM VOLTAOutro a retornar ao São Paulo é Rodrigo. Depois de se recuperar de uma embolia pulmonar, o zagueiro entra no lugar de Renato Silva, expulso diante do Sport. Sua volta estava marcada só para o final de semana, mas foi apressada. "Não esperávamos perder dois zagueiros", diz o técnico Ricardo Gomes. Na vaga de Miranda, também expulso no Recife, deve jogar improvisado Richarlyson. Arouca, Zé Luis e Adrián Gonzalez brigam por chance no meio-campo.Na zona do rebaixamento, o Fluminense joga abalado pela crise. Um empate já será considerado bom resultado. "Precisamos de atitude, só assim podemos sair desta situação difícil", cobra o técnico Renato Gaúcho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.