São Paulo, desatento, fica só no empate

Tricolor atua bem, mas falta de atenção nos gols do Coritiba arruína as chances de vitória fora de casa: 2 a 2

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

25 de agosto de 2008 | 00h00

A oito pontos do líder Grêmio e em busca de um lugar entre os quatro times que se classificam para a Taça Libertadores de 2009, o São Paulo não podia cogitar sair da capital do Paraná sem uma vitória. O Coritiba, com pretensões similares, também queria os três pontos. Num duelo entre equipes de nível técnico parecido, e obrigadas a vencer, o empate por 2 a 2 acabou deixando a todos insatisfeitos.Os são-paulinos até poderiam ter conseguido um placar melhor, não fossem alguns vacilos. A maior preocupação do técnico Muricy Ramalho era com o ataque do time adversário, composto pelo artilheiro Keirrison e pelo habilidoso Marlos - que interessa à equipe paulista e pode ser contratado. Por isso, o Tricolor entrou em campo com três zagueiros. Mas, desentrosados, nenhum deles conseguiu impedir o gol dos paranaenses logo no início. Um erro por falta de concentração aos 12 minutos: Richarlyson cometeu falta na intermediária e ficou reclamando, enquanto o adversário cobrava rapidamente. O meia Ricardinho aproveitou-se da desorganização da defesa são-paulina, aparou o cruzamento e chutou para o gol. André Dias ainda tentou afastar, mas não deu: 1 a 0. Resultado trágico para as pretensões tricolores. A esperança de gols do São Paulo era a dupla de ?matadores? Borges e André Lima, escalados juntos pela primeira vez como titulares no ataque.Na partida contra o Atlético-PR (vitória por 3 a 1), na quarta-feira, os dois desequilibraram,comum gol cada um. Contra o Coritiba, porém, estavam bem marcados e pouco produziram. Como os paranaenses só tinham olhos para a dupla de ataque paulista, sobrava espaço para os demais. E quem aproveitou foi Rodrigo. O zagueiro subiu ao ataque, aparou cruzamento de Jean da esquerda e, de cabeça, fez o primeiro do São Paulo na partida, aos 43 minutos, para alívio são-paulino. O time de Muricy não jogava mal. Tampouco encantava. Mas tinha o domínio da partida, mais posse de bola e isso poderia pesar a favor no segundo tempo. Mas o Tricolor voltou a vacilar. Aos seis minutos, uma cobrança rápida de lateral pegou a defesa desprevenida e Keirrison, atento, deu um toque por cobertura sobre Rogério Ceni: 2 a 1 para os paranaenses.A sorte são-paulina foi que Hugo empatou a partida em seguida, aos 6 minutos, de cabeça. Os paulistas continuaram pressionando, mas sem sucesso. A luta para chegar ao G4 continua no clássico contra o Santos, domingo, no Morumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.