São Paulo e Inter em novo duelo, com novos objetivos

Equipes voltam a se enfrentar após confronto da Libertadores. Time paulista sonha com G-4. Gaúchos querem o título

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2010 | 00h00

São Paulo e Internacional se reencontram, às 21 horas, no Morumbi, pela primeira vez desde a semifinal da Taça Libertadores em que a equipe gaúcha passou pelos paulistas e caminhou para levar o título. Hoje, a situação é distinta. Os tricolores tentam permanecer vivos na briga por uma vaga à competição continental do próximo ano, enquanto os colorados procuram se convencer de que ainda podem brigar pelo título brasileiro, que não vencem há 31 anos.

O jogo vai dizer muito às duas equipes, principalmente em caso de derrota. O São Paulo precisará de uma recuperação surpreendente e o Inter já poderá começar a pensar apenas em Abu Dabi e o Mundial de Clubes.

"O jogo não funciona como revanche porque não temos como voltar à Libertadores deste ano. Mas podemos pensar na próxima. Aliás, devemos", diz o técnico Sérgio Baresi. "Todo ano há uma pressão muito forte no São Paulo para estarmos na competição e este ano não é diferente. É o nosso próximo objetivo."

O caminho para figurar no G-4 - ou G-6, se Santos e Inter, já classificados à Libertadores, estiverem nas primeiras posições - passa por aproveitar uma sequência de jogos favorável ao São Paulo. Além do Inter, hoje, a equipe não sai da capital para enfrentar o Palmeiras, no Pacaembu, e Guarani e Goiás, no Morumbi. "Estas próximas quatro partidas serão fundamentais. Tenho certeza que alavancaremos nossa classificação", afirmou Baresi.

Ele tem problemas para escalar a equipe. Ainda não poderá contar com Ricardo Oliveira (tendinite no joelho esquerdo) e Alex Silva (artroscopia no joelho direito). A tendência é de que forme o meio-campo com Jorge Wagner e Lucas (Marcelinho pediu para ser chamado assim), mas o treinador também pode colocar Cléber Santana ou Carlinhos Paraíba, variações que testou ontem em treino secreto. "O Cléber é uma opção para dar mais ofensividade à equipe, mas ainda não sei se começo o jogo com ele", despista Baresi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.