São Paulo e Ponte falham na pontaria e ficam no empate sem gol

Jogo teve emoção, mas as equipes, que estão entre as melhores do Estadual, foram mal nas conclusões

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

03 de fevereiro de 2008 | 00h00

Ponte Preta e São Paulo mostraram ontem, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, por que estão na briga pelos primeiros lugares do Campeonato Paulista. O duelo terminou em 0 a 0, mas não faltaram chances de gols e alternativas táticas. Os campineiros estiveram mais perto da vitória, pois perderam pelo menos dois gols daqueles considerados feitos, na etapa final, mas seguem na liderança, com 13 pontos (hoje torcem contra o Guaratinguetá, diante do Guarani). O duelo também foi um bom teste para time do técnico Muricy Ramalho, que embora ainda conviva com a dificuldade de fazer gols, teve pontos positivos e segue em terceiro lugar, com 12 pontos."Se não foi uma ótima apresentação, valeu pela vontade, contra um rival muito complicado de ser derrotado em sua casa", comentou o volante Fábio Santos, que fez a primeira boa partida com a camisa tricolor.Com Júnior no lugar de Hugo, o São Paulo ganhou qualidade no toque de bola. E deu azar, pois o atacante Dagoberto, melhor opção pelos lados do campo, se lesionou e teve de ser substituído por Borges. Adriano, bem marcado, só teve uma boa chance no primeiro tempo, quando recebeu de Borges aos 29 minutos, mas se enroscou com os marcadores e não conseguiu marcar.A Ponte Preta conseguiu armar alguns contra-ataques, mas a defesa tricolor, bem posicionada, impediu que Rogério Ceni trabalhasse. Na etapa final, o time da casa voltou mais aceso, pois aproveitou os erros de passes e de marcação no meio-campo rival. Renato criou ótima chance na área, de bicicleta, mas Rogério fez evitou o gol.Os campineiros criaram outra oportunidade aos 14 minutos, quando Marcelo Soares passou da bola, no cruzamento da esquerda, e por pouco não fez o primeiro, de cabeça.Como Adriano não conseguia se livrar da marcação de Jean e César, os companheiros se revezaram no ataque. Após boa tabela no meio, Jorge Wagner ficou frente à frente com Aranha, mas o goleiro desviou para escanteio. Nos minutos finais, o alvinegro aumentou a pressão e só não marcou graças a Rogério, que saiu bem nos pés de Danilo Neco. Um ponto para ser valorizado por ambos os times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.