São Paulo enfrenta o Once Caldas e a turbulência interna por vaga

Empate em casa garante classificação às oitavas de final, mas derrota poderá ser fatal e custar até o cargo de Ricardo Gomes

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2010 | 00h00

Abalado pela derrota na semifinal do Campeonato Paulista para o Santos e dividido pela crise causada por cobranças públicas do centroavante Washington, o São Paulo disputa hoje o jogo "mais importante da temporada". A equipe precisa bater o Once Caldas às 21h50, no Morumbi, para confirmar classificação às oitavas de final da Libertadores na 1.ª colocação do Grupo 2. Ou empatar para avançar na competição como 2.º da chave.

Derrota hoje põe a vaga e o cargo do técnico Ricardo Gomes a perigo, embora, oficialmente, o discurso seja de confiança no trabalho. "Não tem essa de ser respaldado ou não. Tem o resultado. Se não tiver resultado, todo mundo sabe o que acontece", afirma o treinador, sem esconder incômodo com a situação.

A semana da decisão da competição mais importante da temporada começou exatamente como o treinador não queria: conturbada. "O São Paulo está numa situação bem delicada", diz o vice-presidente de futebol, Carlos Augusto de Barros e Silva. "Se perder, pode até se classificar. Mas estaremos fritos."

Quando Washington cobrou um lugar no time e reclamou que Ricardo Gomes havia estragado a formação do São Paulo após a partida com o Santos (derrota por 3 a 0), desencadeou um efeito dominó. Primeiro, causou revolta no treinador, que já começa a ser contestado com mais ênfase pela torcida e até por membros da diretoria - vale lembrar que seu contrato vai só até julho e a Libertadores tem as semifinais e final em agosto. Depois, dividiu o grupo, que já fala em jogar pelo técnico, discurso semelhante ao utilizado às vésperas da queda de Muricy Ramalho na metade do ano passado.

"O Ricardo já provou quando chegou que tem competência e pulso firme", comenta o zagueiro Alex Silva. "Neste momento, nós, jogadores, temos de assumir nossa parcela de culpa e ficar ao lado do treinador. Perder mais um jogo agora deixaria a equipe em uma situação difícil."

Tudo no ambiente e nos resultados recentes da equipe tricolor lembra 2009. E, no ano passado, o clube não conquistou nenhum título. "A nossa vida parece que está andando em círculos", analisa o volante Hernanes. "Espero que agora o filme seja diferente. Se não crescermos, mostrarmos que aprendemos, não vamos passar de fase."

O time vai ter hoje de esquecer a discórdia, as seis derrotas seguidas em clássicos e mostrar que, na hora da decisão, também consegue mostrar bom futebol. "Perder e ser eliminado da Libertadores na primeira fase seria um dos maiores desastres da história do futebol do São Paulo", exagera o volante Richarlyson. "A importância da Libertadores é 100 vezes maior que a do Paulista. Espero que a gente possa melhorar e jogar bem também em jogos importantes como esse contra o Once Caldas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.