São Paulo fraqueja e só empata

Tricolor sai na frente, mas não consegue segurar o ímpeto do Paulista. Igualdade por 1 a 1 mantém time em 3.º

Marcon Beraldo, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2009 | 00h00

Era um jogo importante para o São Paulo, na busca pela classificação à semifinal do Campeonato Paulista. Mas, desta vez, o time não correspondeu à expectativa e teve de amargar o empate por 1 a 1 com o Paulista, ontem à tarde, em Jundiaí. A equipe do interior soube compensar sua fragilidade técnica com o empenho redobrado na marcação e conseguiu um precioso ponto na sua luta para tentar escapar do rebaixamento.O meia Hugo, que voltava ao time depois de se curar de uma lesão, esperava ter um bom desempenho. Apesar da sua disposição, não foi o que se viu em campo. Já o atacante Zé Carlos mostrava que a preocupação do Paulista era outra. "Não podemos tomar gol. Vamos enfrentar a melhor equipe do Brasil, não podemos perder", declarava, provavelmente repetindo a preleção do técnico Giba.No primeiro tempo, o São Paulo quase foi surpreendido pela disposição ofensiva do Paulista, que explorava o atacante Marcelo Toscano, "disfarçado?? como ala direito. E o time comandado por Muricy Ramalho também sofria pelo seu lado direito, onde Arouca, fora de sua posição, não auxiliava o ataque nem marcava com competência o adversário que se deslocava pelo seu setor.Mas, apesar dos problemas - Hernanes também sofria forte marcação de Ramalho e não conseguia municiar o ataque -, o São Paulo chegou a criar algumas chances, com Borges e Washington, mas parou nas boas defesas do goleiro André Luís. "Precisamos criar mais espaços", pregava Hernanes, admitindo as dificuldades. No segundo tempo, o time são-paulino voltou com mais vontade e abriu a contagem aos 6 minutos, após ameaçar em dois chutes a gol de fora da área. Em uma cobrança de escanteio, Rodrigo aproveitou rebote e a falha do goleiro do Paulista e chutou a bola para a rede. "Mas depois não soubemos administrar a vantagem", criticou o goleiro Rogério Ceni. Aos 11, também depois de uma cobrança de escanteio, Zé Carlos tirou proveito de um rebote chutou forte para a rede.NA RETRANCAO resultado era bom para o Paulista, que se fechou ainda mais. Mas ameaçava nos contra-ataques. O técnico Muricy fez as mudanças necessárias - incluindo a estreia do volante Eduardo Costa -, mas sua equipe não conseguiu mais chegar ao gol adversário. A exceção foi uma rara jogada individual de Hernanes: dentro da área, ele se livrou de um adversário e chutou para grande defesa do goleiro André Luís, no fim do jogo.Rogério Ceni definiu a principal dificuldade do São Paulo. "Não soubemos administrar aqueles minutos depois do gol. Eles pressionaram e não conseguimos manter o resultado. A bola bateu no Hernanes e sobrou para o atacante deles??, lamentou o capitão do time. Agora, segundo o goleiro, é pensar nos próximos quatro jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.