São Paulo goleia na volta de Rogério

Mais de 30 mil pessoas foram assistir o retorno do ídolo no Morumbi e viram a equipe vencer o Flamengo por 4 a 1

FERNANDO FARO, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h04

Rogério Ceni é ídolo e pé-quente. Seis meses após passar por cirurgia no ombro, o goleiro e maior ídolo da torcida foi praticamente um espectador de luxo de uma das melhores exibições do São Paulo na temporada. Jogando com garra, vibração e entrega, o Tricolor atropelou o Flamengo por 4 a 1 e se recuperou da derrota para o Atlético-GO.

O clima no Morumbi era visivelmente diferente com o retorno do ídolo. Sua simples presença foi capaz de levar mais de 30 mil torcedores a acompanhar uma equipe que até aqui é marcada pela instabilidade e por apresentações inseguras. A expectativa era que a presença do capitão ajudasse a tranquilizar os atletas e deixasse a torcida menos ácida do que nas últimas oportunidades. Deu certo. Desde o apito inicial, os donos da casa apertaram a marcação com o intuito de não deixar os cariocas respirarem e tiveram êxito. Vagner Love e Adryan ficaram isolados na frente enquanto Ibson apenas fazia figuração no campo.

Seguro na defesa, agressivo no ataque. Sempre que teve a bola nos pés, o Tricolor comportou-se bem e deu trabalho aos zagueiros rubro-negros especialmente com Ademilson, que corria pelas pontas e abria espaços para Cortez, Jadson e Luis Fabiano.

As chances começaram a aparecer e o jovem Paulo Victor se transformou no principal nome do Flamengo após salvar duas finalizações excelentes de Luis Fabiano. O gol era questão de tempo e surgiu em jogada aparentemente inofensiva. Rodrigo Caio roubou bola de Ramon e acionou Maicon, que bateu colocado em diagonal para iniciar a festa, aos 41 do primeiro tempo.

De bem com a torcida. Mas não era apenas Rogério que estava de volta. Luis Fabiano, que desfalcou a equipe nos últimos dois jogos, reencontrava a torcida após ouvir vaias e voltar a falar em repensar o futuro. E, na sua terceira chance, completou de cabeça lançamento de Jadson para fazer o Morumbi explodir apenas cinco minutos depois do primeiro gol. Mesmo sabendo que levaria o cartão amarelo, tirou a camisa, colocou-a sobre o gramado e, ajoelhado, beijou o escudo do clube, para a alegria da torcida, que mais uma vez estava ao seu lado.

O ritmo continuou forte na segunda etapa e o Tricolor não tomou conhecimento do adversário para continuar se impondo com autoridade raras vezes vistas na temporada. Luis Fabiano brilhou de novo: marcou mais um, deu o passe para Jadson sacramentar a goleada e saiu ovacionado. Nem mesmo o gol de Ramon e a pressão flamenguista foram capazes de diminuir o desfecho perfeito para a volta de Rogério Ceni. O São Paulo venceu, convenceu e renova as esperanças do seu torcedor em ver a equipe alcançando voos mais altos ainda nesta temporada. Se o time real for o de ontem e não o do Serra Dourada, é possível pensar em um futuro mais feliz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.