São Paulo inquieto: tem de vender jogadores

A diretoria são-paulina está inquieta. Precisa vender ao menos um dos melhores - e mais caros - jogadores do time para equilibrar as contas. Faltam, porém, apenas 11 dias para o final da janela de transferências para o exterior e nenhuma proposta atraente apareceu. Se não negociar ninguém, ficará obrigada a fazê-lo até o final da temporada. E passará a correr o risco de ter de se desfazer de um dos seus principais nomes por valores aquém do esperado.O São Paulo corre contra o tempo. Segundo o presidente Juvenal Juvêncio, os custos do futebol do clube chegarão a R$ 190 milhões nesta temporada. O Morumbi ainda deve dar lucro de cerca de R$ 20 milhões, a cota dos direitos de televisão rende outros R$ 21 milhões anuais, mas as rendas dos jogos não é suficiente para equilibrar a conta. "Precisamos vender jogadores como todos os outros clubes brasileiros, não tem jeito", disse o dirigente.Eduardo Costa deu lucro. O volante chegou com custo zero e foi para o Mônaco por R$ 6,5 milhões. O clube também botou preço em Miranda (R$ 37 milhões) e Hernanes (R$ 40 milhões), mas recebeu propostas que sequer chegaram à metade dos valores. Como a maioria das equipes mais fortes e ricas da Europa já fechou o ciclo de contratações, resta negociar apenas com os times intermediários, porém com menor poder aquisitivo. Segundo a imprensa italiana, a Lazio estaria interessada em contar com o zagueiro. Oferece menos de R$ 10 milhões. Por essa quantia, o São Paulo nem abre negociação.Apesar do Real Madrid ter aberto os cofres para contratar astros do quilate de Cristiano Ronaldo e Kaká, a crise financeira diminuiu os valores oferecidos. O desespero são-paulino deve durar mesmo até o final do ano. Se não surgirem propostas à altura da exigência, haverá crise financeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.