SÃO PAULO ITUANO São Paulo tenta aparar as arestas

Diante do Ituano, no Morumbi, time de Ney Franco busca resgatar o desempenho perdido do ano passado

FERNANDO FARO, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2013 | 02h06

Oito partidas no ano foram o suficientes para transformar o São Paulo de time a ser batido a um grande ponto de interrogação. A derrota para o Atlético-MG na estreia da Libertadores reforçou os questionamentos sobre a dificuldade de a equipe repetir o desempenho do ano passado, mesmo tendo praticamente a mesma formação que encerrou a temporada. Por isso a partida de hoje contra o Ituano ganha um caráter importante para a equipe: é preciso mostrar que o futebol de 2012 não foi esquecido.

A necessidade de entrosar a equipe rapidamente e a distância do próximo jogo na competição continental - o próximo jogo acontece apenas no dia 28, contra o The Strongest - farão Ney Franco mandar o que considera sua força máxima. Dessa forma, a escalação deve ser a mesma da derrota em Minas Gerais, com Douglas avançado no ataque e Paulo Miranda ocupando a lateral. "Temos três jogos no Paulista até o próximo compromisso na Libertadores e a ideia é trabalhar com força máxima para melhorar a nossa classificação no Estadual e chegar bem para os jogos na Libertadores", ponderou o treinador. O São Paulo teve dois jogos adiados por causa dos duelos contra o Bolívar.

O treinador dará mais uma chance para tentar fazer o esquema tático do ano passado voltar a funcionar mesmo sem ter um ponta de lança com as características de Lucas. Questionado pela demora em definir um esquema tático - a escalação foi repetida apenas uma vez -, ele aposta na repetição para ajustar a equipe. "As críticas são injustas porque saiu um grande jogador como o Lucas e o Ney colocou o Douglas, que vem nos ajudando defensiva e ofensivamente. Os números mostram que a tática não está dando muito certo ainda nesse ano, mas ele está fazendo um ótimo trabalho. Se ele acha que essa é a forma correta, precisamos trabalhar firme. Tenho certeza de que vamos evoluir", ponderou Denilson.

Os jogadores admitem que tem faltado consistência e não conseguem encontrar os motivos para o time não render no mesmo nível. "Também queria saber o que acontece, não deu certo no jogo contra o Atlético e agora temos uma sequência em casa para nos recuperarmos", disse Rhodolfo, um dos atletas mais contestados do time.

Apesar de ter falhado no segundo gol em Minas e ver uma cobrança cada vez maior pela entrada de Rafael Toloi, ele deve ser mantido por enquanto. A equipe do interior também inspira cuidados especialmente pela invencibilidade de três jogos - duas vitórias e um empate.

SÃO PAULO

Rogério Ceni

Paulo Miranda

Lúcio

Rhodolfo

Cortez

Wellington

Denilson

Jadson

Douglas

Osvaldo

Luis Fabiano

Técnico:

Ney Franco

ITUANO

Anderson

Leandro Silva

Cléber

Vitor Hugo

Patrick

M. Guerreiro

Cambará

Kleiton D.

Fernando Gabriel

Luciano

Edson (Marcão)Técnico:

Roberto Fonseca

Juiz: Adriano de Assis Miranda

Local: Morumbi

Horário: 19h30

Transmissão: Pay-per-view

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.