São Paulo já faz sombra ao líder

Dagoberto e Hugo marcam nos 2 a 0 sobre o Avaí e diferença para o Palmeiras (joga hoje) é de apenas 1 ponto

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

13 de setembro de 2009 | 00h00

O técnico Ricardo Gomes escalou Borges ontem para aproveitar o bom momento do atacante. Afinal, ele fizera o gol que deu o triunfo diante do Cruzeiro, por 2 a 1, na rodada passada. Mas foi o outro atacante, Dagoberto, que não marcava havia sete rodadas, quem deixou o São Paulo na cola do Palmeiras. O camisa 25 fez um gol e participou da jogada do outro na vitória sobre o Avaí, no Morumbi, por 2 a 0. O tricampeão nacional está a apenas um ponto do líder do Campeonato Brasileiro e ao lado do Inter, que leva vantagem nas vitórias (13 a 12).

Ao cumprir sua missão de ganhar em casa, os são-paulinos passarão o domingo "secando" os rivais da frente, que têm jogos complicados contra Vitória e Cruzeiro, respectivamente.

Logo no apito inicial, viu-se um São Paulo marcando sob pressão. A ordem de Ricardo Gomes era sufocar, roubar a bola para abrir logo o marcador. Esquema ousado, mas que ruiu rapidamente com o bom sistema defensivo do Avaí.

Num 3-5-2 bem entrosado - os catarinenses atuam juntos desde 2008 - estava difícil ganhar as jogadas. E, para dificultar ainda mais a missão, a bola parecia queimar nos pés dos são-paulinos. Acertar passes teoricamente impossíveis de errar parecia tarefa árdua. O time que embalou nas últimas rodadas apresentava futebol fraco e as poucas chances nos 45 minutos iniciais vieram em chutes de longa distância, facilitando o trabalho de Eduardo Martini.

Além disso, havia o outro lado. Quem pensava que o Avaí jogaria para empatar, se enganou. O time azul ousou ir ao ataque e criou boas chances para abrir o marcador. Muriqui dava grande trabalho e só não tirou o zero do placar porque chegou um segundo atrasado num cruzamento, no minuto final.

"Estamos pecando demais nos passes", reclamou Júnior Cesar. "Temos de posicionar melhor, acertar os passes e jogar com mais velocidade", recomendou Jorge Wagner.

Insatisfação de um lado, confiança do outro. "As melhores chances foram nossas. Espero que a equipe volte melhor e faça o gol", afirmou Muriqui.

Só ilusão. Contra um time como o São Paulo, não aproveitar as oportunidades é correr riscos. E os empolgados catarinenses viram os donos da casa voltarem com tudo na fase final. O relógio marcava 34 segundos quando Dagoberto fez 1 a 0. Aos cinco o auxiliar errou ao anular gol legal. Que bombardeio! Renato Silva, Marlos e Jorge Wagner ficaram no quase.

Bem diferente da etapa inicial, o São Paulo soube não dar espaços. Quase não foi ameaçado e viu Hugo definir aos 38, após Dagoberto cruzar na sua cabeça.

No Rio, o Flamengo bateu no Sport por 3 a 0, gols de Adriano (2) e Zé Roberto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.