São Paulo: nova cartada pela abertura

Clube enviará à Fifa projeto com previsão de rebaixar gramado do Morumbi em até 3 metros e aumentar a capacidade

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2010 | 00h00

O São Paulo dará nova cartada para tentar atender às exigências da Fifa e se habilitar a receber a partida de abertura da Copa do Mundo de 2014. O clube envia projeto no dia 15 de abril que contará com três possibilidades concretas de rebaixamento do campo e aumento da capacidade de público do Morumbi, que até agora não conseguiu chegar ao mínimo de 65 mil pessoas determinado pela entidade para jogos importantes do Mundial.

"O rebaixamento é uma possibilidade. Vamos mandar as opções para a Fifa. Conforme a entidade receba melhor alguma delas, vamos executá-la", diz o diretor de marketing são-paulino, Adalberto Batista.

Antes o clube aceitava rebaixar em, no máximo, 80 centímetros o gramado. Só que a alteração era insuficiente para a Fifa. Agora já admite colocar o campo até três metros abaixo do nível atual. "Com essas alterações, dependendo do grau de rebaixamento do campo, será possível atender à exigência de aumentar a capacidade do estádio para pelo menos 65 mil lugares que um palco da abertura deve ter", explica o dirigente tricolor. "Quanto mais se rebaixar, mais degraus de arquibancadas serão construídos perto do campo e mais gente poderá assistir às partidas no Morumbi durante a Copa."

As possibilidades de rebaixamento só foram aumentadas porque a prefeitura fará obras - os chamados piscinões - para tentar diminuir os problemas das enchentes na região do Morumbi. Assim, o córrego que passa abaixo do campo será canalizado para outro lugar, deixando livre o clube para poder pôr o campo alguns metros abaixo do patamar de hoje. "Essa é uma obra (canalização do córrego) que independe da reforma do estádio. Será feita de qualquer maneira. Nós só vamos aproveita-la para melhorar nosso projeto para a Fifa", conta Adalberto Batista.

Plano mantido. Inicialmente, o plano de fechar o Morumbi por cerca de três meses no começo de 2012 - para a colocação da cobertura e a retirada de caminhões de terra do campo - está mantido. Mas essa definição também vai depender do ritmo das obras na ocasião. A diretoria espera mandar seus jogos do Campeonato Paulista e, quem sabe, da Taça Libertadores, na Arena Barueri, assim como fez neste ano por causa da realização de shows no estádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.