São Paulo, para pôr a mão na vaga

Se bater o Luqueño, time tricolor praticamente se garante na 2ª fase

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

02 de abril de 2008 | 00h00

O São Paulo jamais perdeu ponto para os adversários paraguaios, quando atuou no Morumbi, pela Taça Libertadores (em quatro jogos, foram duas vitórias sobre o Olimpia e duas sobre o Cerro Porteño). Para encaminhar a classificação às oitavas-de-final do torneio, o time do técnico Muricy Ramalho tem de manter o retrospecto, contra o Sportivo Luqueño, às 21h50. Se ganhar, vai a oito pontos e praticamente se garante na próxima fase. "Temos de ser um time equilibrado, como ocorreu em Bragança Paulista", observa Muricy, que elogiou a atuação contra o Bragantino. "Temos de atacar, sem dar espaços, nem deixar um ?buraco? entre a defesa e o ataque." Acesse e acompanhe onlineMas a postura defensiva do adversário vai exigir muita paciência dos são-paulinos. "O Luqueño tem um esquema bem definido, não muda nem quando atua em casa", comenta Muricy, que pode escalar Eder Luiz e aumentar o poder de fogo do time. Mas o lateral Eder, com atuações seguras na Libertadores, também tem chances.O goleiro Rogério Ceni espera que a equipe "tenha atitude?? e termine a semana de forma vitoriosa - tenta bater o Juventus, domingo, e avançar às semifinais do Estadual. "Serão dois jogos para decidirmos nosso futuro este ano", observa. Ele alerta para as qualidades dos paraguaios. "O conjunto deles é forte e, na Libertadores, um detalhe faz diferença", opina. "Em 2006, na final (contra o Internacional), uma expulsão (de Josué) mudou tudo", recorda.O que mais anima o goleiro é a certeza de que o time está, aos poucos, encontrando a melhor formação - tanto que vem de três vitórias. "Melhoramos como um todo, passamos a marcar mais gols e a sofrer menos", constata o capitão.A comissão técnica ainda não sabe por quanto tempo não terá o centroavante Aloísio, que torceu o tornozelo direito diante do Bragantino. Hoje, o jogador passará por novo exame, mas deve ficar ao menos quatro meses fora da equipe. E a diretoria se mobiliza para encontrar um substituto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.