São Paulo pena em Curitiba

Arena da Baixada volta a assombrar o Tricolor na derrota para o Atlético-PR no fim do jogo

Marcon Beraldo, O Estadao de S.Paulo

24 de agosto de 2009 | 00h00

Acabou a alegria do São Paulo: ao perder por 1 a 0 diante do Atlético-PR, ontem à tarde na Arena da Baixada, em Curitiba, o time não conseguiu quebrar o tabu diante do adversário e ainda por cima viu a série de vitórias (eram sete seguidas) interrompida - foi também a primeira derrota em dez jogos. O gol do Atlético, que levou o time a 27 pontos no Campeonato Brasileiro, foi de Paulo Baier, de cabeça, aos 41 minutos do segundo tempo. O São Paulo segue com 36, ainda no G-4.O Atlético-PR partiu para a guerra dos minutos iniciais, marcando o adversário sob pressão, esperando tirar proveito de algum erro para sair na frente. Mas a defesa são-paulina estava bem postada e nada permitiu ao time da casa, que atacava na base da correria.O São Paulo demonstrava sentir a ausência no meio de campo do suspenso Hernanes, que nos jogos anteriores vinha fazendo com eficiência a ligação com o ataque. Resultado: o atual tricampeão brasileiro era presa fácil da marcação do time paranaense e não conseguia nem fazer a ligação direta da defesa para o ataque - só teve sucesso em tal expediente na última parte da etapa, graças à falta de pique da equipe da casa, que começou a poupar fôlego.Depois que alguns jogadores atleticanos receberam cartão amarelo por abusarem de jogadas violentas, o São Paulo começou a chegar mais à frente. Mas só conseguiu ameaçar em lances de bola parada, principalmente faltas de fora da área. Em quase todas (incluindo uma com o capitão Rogério Ceni), a bola sequer foi na direção do gol de Galatto.O segundo tempo também começou com a pressão atleticana. Aos 4 minutos, Paulo Baier cruzou com perigo na pequena área. Aos 10, fez bom lançamento na área para Wallyson, mas o atacante chutou em cima de Rogério Ceni, que conseguiu fechar o ângulo.O técnico Ricardo Gomes, preocupado com a fragilidade ofensiva do seu time, fez mudanças que pelo menos equilibraram o jogo. Mas, aos 41 minutos, Paulo Baier fez grande jogada: tomou a bola de Jorge Wagner no meio de campo, lançou a Gabriel e correu para a área: o cruzamento foi perfeito, Baier se antecipou ao goleiro e cabeceou para a rede. "No momento em que houve desatenção (do time), saiu o gol", lamentou o zagueiro Miranda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.