São Paulo perdoa Adriano

Jogador pediu desculpas pelos atos de indisciplina e segue no clube

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

01 de março de 2008 | 00h00

Terminou pacificamente a crise provocada pela rebeldia de Adriano. Por enquanto. O centroavante do São Paulo pediu desculpas à comissão técnica e aos companheiros pelos atos de indisciplina cometidos na sexta-feira, aceitou a multa de 40% do salário imposta pela diretoria e garantiu que não voltará a causar problemas. Perdoado pelo presidente Juvenal Juvêncio, o camisa 10 está confirmado contra o Mirassol, às 18h10, pelo Campeonato Paulista, mas não deixou de atacar a imprensa, que sempre "aumenta" a importância de suas atitudes."Quando cheguei ao São Paulo, pedi para não me chamarem de Imperador (apelido que ganhou na Itália), mas vocês têm de me chamar de Imperador, sim. Sou Imperador porque lutei muito para construir o nome que tenho e não vai ser por causa de vocês que vou perder isso", afirmou, irritado, em pronunciamento depois do treino na manhã de ontem.Na sexta-feira, Adriano chegou atrasado ao treinamento, discutiu com fisiologistas do clube porque se recusou a correr na esteira, depois do tratamento que fez em razão de dores musculares, foi embora sem pedir autorização e ameaçou agredir um fotógrafo. À noite, em reunião de emergência, a diretoria decidiu multá-lo. "O Adriano cometeu deslizes, foi punido, reconheceu que errou e depois pediu desculpas à comissão técnica e aos jogadores", contou Juvenal. "É dessa forma que agiremos sempre, com todos os atletas, até os mais importantes, como o Adriano."Antes do treinamento de ontem, o centroavante emprestado pela Internazionale de Milão conversou separadamente com o presidente e admitiu que falhou. Explicou a causa da irritação - "que não tenho de tornar pública", disse aos jornalistas - e foi repreendido. Depois, pediu desculpas aos companheiros. "Não quero atrapalhar a equipe", disse Adriano. "Sei que só vou apagar isso tudo se jogar bem e fizer gols." Gols que não tem feito.Adriano parece ter assimilado bem o episódio. Treinou, riu e tratou de brincar com os colegas. Só não gostou do assédio de cinegrafistas e fotógrafos no treino. "Já estou acostumado", disse. "Só peço que publiquem a verdade sobre mim e não inventem nada." O suficiente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.