São Paulo se enrola e tem o primeiro tropeço

Equipe joga mal e perde para a Ponte por 1 a 0, no dia do aniversário de Rogério Ceni e do acerto com o meia Rivaldo

Marcon Beraldo,

23 de janeiro de 2011 | 00h34

Em meio à comemoração do 38.º aniversário do capitão Rogério Ceni, quem fez a festa foi a Ponte Preta: venceu por 1 a 0, gol de Thiago Luiz no segundo tempo, e se reabilitou no Campeonato Paulista. Enquanto o clube confirmava em seu site oficial o acordo com o meia Rivaldo (mais informações abaixo, o São Paulo mostrava um bom futebol no início. Mas acabou sendo surpreendido, e derrotado. "Criamos três ou quatro chances, mas depois caímos no segundo tempo", disse Rogério Ceni.

No primeiro tempo o time são-paulino se deixou levar pelo entusiasmo da torcida e deu a impressão de que envolveria facilmente um adversário à beira da crise. Mas o que se viu após as duas chances criadas, com Fernandinho e Dagoberto, foi uma Ponte competitiva, firme na marcação e objetiva no ataque.

A equipe de Campinas teve competência para suportar a pressão inicial e também obrigou Rogério Ceni a fazer algumas defesas, em finalizações do meia Renatinho, o seu principal jogador. E, nos minutos finais, quem esperava um "abafa" do São Paulo assistiu à equipe da Ponte Preta ameaçando o gol.

Na saída para o intervalo, o zagueiro Miranda foi bem claro. "Foi um jogo muito disputado, mas não gostei nada. Temos de melhorar, caprichar mais, para sairmos com a vitória."

Nos primeiros minutos do segundo tempo, porém, só a Ponte jogou. Rogério Ceni chegou a fazer grande defesa em chute cruzado de Renatinho e depois o goleiro são-paulino ficou na torcida em chutes de Mancuso e Ricardo de Jesus.

Preocupado com a situação, o técnico Paulo César Carpegiani fez duas substituições (entrada de Fernandão e de Xandão), para tentar inverter os papéis. O São Paulo, pelo menos, equilibrou o jogo e não mais permitiu a chegada fácil da Ponte Preta à sua área.

Só que o time do Morumbi continuou sem criatividade. Ao mesmo tempo, Renatinho continuava levando perigo. O meia da Ponte fez boa jogada pela direita e bateu forte: Rogério Ceni defendeu parcialmente e Thiago Luiz, livre de marcação, cabeceou a bola para a rede, aos 31 minutos. A partir daí o time do São Paulo, que vinha de duas vitórias, inexplicavelmente entrou em pânico e passou a tentar jogadas ofensivas de qualquer jeito, sem nenhum resultado prático.

O técnico Paulo César Carpegiani mostrou preocupação depois do jogo. "O time propiciou contra-ataques, foi inseguro. No próximo jogo a equipe tem de ser mais segura na defesa, Isto é um princípio básico", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.