São Paulo sofre, mas já é vice-líder

Equipe bate o Vitória, de virada, por 2 a 1, em noite chuvosa, e fica na 2.ª colocação pelo menos até amanhã

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

24 de outubro de 2008 | 00h00

O São Paulo sofreu - com a chuva, com o cansaço e com seus próprios erros, mas conseguiu derrotar o Vitória, de virada, por 2 a 1, ontem , no Morumbi. O resultado coloca o time paulista na vice-liderança do Campeonato Brasileiro, com 56 pontos, três atrás do Grêmio. Pelo menos até amanhã.O resultado positivo em casa foi fundamental para que os são-paulinos continuem sonhando com o hexacampeonato nacional. Dois de seus adversários diretos - Grêmio e Flamengo - entraram em campo ontem e também venceram. Resta torcer contra Palmeiras e Cruzeiro. "Passamos a pressão para eles, que agora têm de resolver", afirmou o técnico Muricy Ramalho. "Nós precisávamos ganhar e conseguimos. Estamos na briga", destacou Hernanes, autor do primeiro gol do São Paulo. Para o zagueiro André Dias, o time cumpriu a sua meta. "Entramos em campo para ganhar, sem contar com o resultado dos outros. Tivemos dificuldades, mas valeu o espírito de luta." Raça, talvez, inspirada em Chicão, volante que defendeu o São Paulo na década de 70 e foi homenageado ontem. O ex-jogador morreu no dia 8, em decorrência de um câncer. Com muitos erros de passe e de posicionamento, o São Paulo assustou mais seus torcedores do que o Vitória. Embora, no início da partida, o cenário parecesse o oposto. Logo aos 4 minutos, Dagoberto recebeu ótimo lançamento de Miranda e, de cara para o gol, perdeu a chance de abrir o placar. O time da casa era melhor, mas Hugo e André Lima (que substituiu Borges, suspenso) insistiam em ficar impedidos. Perdendo ataques, o São Paulo acabou surpreendido por um lance isolado do rival baiano. Em cobrança de escanteio, aos 14, o zagueiro Leonardo Silva subiu mais do que a zaga são-paulina e fez 1 a 0.Precisando da vitória - e, àquela altura do jogo, Grêmio e Flamengo já ganhavam -, o São Paulo foi mais agressivo. A chuva passou a castigar o Morumbi e as bolas paradas viraram as melhores opções para um gramado molhado e escorregadio. Hernanes tentou em cobrança de falta aos 23, mas acabou acertando o gol de Viáfara aos 28: 1 a 1. "Tentei chutar por cima, mas a barreira abriu e o goleiro não teve tempo de chegar na bola", admitiu o volante, que participou das principais jogadas tricolores.Da mesma maneira que chegou ao empate, o São Paulo virou o jogo a partir de uma falta. Sofrida por Dagoberto e cobrada por Jorge Wagner, foi Hugo, de cabeça e sem marcação, quem transformou o lance em gol, aos 8 da etapa final. Assim como na partida contra o Palmeiras e outras tantas no Campeonato Brasileiro, o time teve condições de marcar mais vezes e garantir uma vitória tranqüila. Mas cometeu velhos erros. Recuou, abusou de passes errados, jogadas displicentes e ataques desperdiçados. Por sorte, o Vitória não teve competência para chegar com chances concretas ao gol de Rogério Ceni. Sofrimento para os são-paulinos, que, mais aliviados, vão ficar ligados na televisão, amanhã, para torcer contra Cruzeiro e Palmeiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.