São Paulo: tensão extra em Medellín

Campanha mediana no Paulista preocupa na estréia da Libertadores

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

26 de fevereiro de 2008 | 00h00

O São Paulo viaja hoje para Medellín, na Colômbia, pressionado. O atual bicampeão brasileiro ainda não engrenou em 2008. Faz uma campanha apenas regular no Estadual e amanhã estréia na Taça Libertadores, contra o Atlético Nacional. Vai ter de jogar mais do que nas últimas partidas para voltar ao Brasil com a vitória."Estou preocupado com a Libertadores, o São Paulo ainda está devendo esse ano", disse o presidente Juvenal Juvêncio, após o ruim empate de 2 a 2 com o Noroeste, domingo, no Morumbi. "O time ainda não jogou o que todos esperavam."O dirigente tem razão em ficar preocupado. Ainda mais na véspera de um torneio tão esperado. O São Paulo contratou jogadores e reforçou o elenco. Alguns vieram principalmente para jogar a competição continental, como Adriano e Éder Luis, apresentado ontem (veja ao lado). Mas até agora, ao menos no Estadual, o time não tem correspondido às expectativas da torcida e da diretoria e está na 5ª colocação, com 20 pontos."Ainda não apresentamos um futebol convincente, que traga títulos", admitiu o goleiro Rogério Ceni. "Mas temos tempo pela frente. Precisamos encontrar um conjunto ideal, jogar de forma parelha", falou.O goleiro são-paulino confia na volta por cima. Mas faz um alerta aos torcedores que acham que a equipe é uma das favoritas para ganhar a Libertadores. "O time está preparado para jogar e vencer. Mas hoje o São Paulo não entra como favorito." Dos brasileiros que estão na competição, Rogério diz que outras duas equipes estão num estágio avançado. "Flamengo e Cruzeiro estão num momento mais favorável que a gente."Rogério Ceni espera que amanhã o São Paulo volte a mostrar um bom futebol. Mas sabe que novos tropeços podem complicar mais a vida do time. "Vamos começar do zero, num campeonato diferente. E qualquer derrota pode ser mais pesada."O técnico Muricy Ramalho, no domingo, admitiu que seu time não vem atuando tão bem. E mostrou preocupação com o desgaste físico dos atletas. Rogério segue a mesma linha, ainda mais por saber que os jogos da Libertadores exigem um outro ritmo. "Tem de ser forte fisicamente e competente nas bolas aéreas. Quem não tiver isso vai ficar para trás", contou o número 1 tricolor. "O São Paulo tem essas peças."No ano passado, o time não foi bem no Campeonato Paulista (caiu na semifinal), também fracassou na Libertadores (perdeu para o Grêmio nas oitavas-de-final), mas deu a volta por cima e triunfou no Campeonato Brasileiro, com uma defesa sólida (apenas 19 gols tomados em 38 jogos). Agora, neste ano, Rogério espera que o São Paulo acorde logo para ganhar títulos já no primeiro semestre. E declara: "Mesmo com todas as dificuldades e não jogando tão bem, só perdemos um jogo até agora."A culpa, diz o goleiro, foi a expectativa criada em torno do time. "O erro foi aceitar o favoritismo que a imprensa colocou."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.