São Paulo tenta mudar história dos últimos anos

Time perdeu em 2006, 2007 e 2008 jogando o mata-mata fora de casa. Agora luta para se classificar com boa campanha para decidir no Morumbi

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2009 | 00h00

Nas três primeiras partidas da Taça Libertadores, o São Paulo conseguiu o que considerava mais difícil: reverteu a estreia ruim em casa (empate por 1 a 1) e garantiu duas vitórias longe do Morumbi - 3 a 1 contra o América de Cali e 1 a 0 diante do Defensor, em Montevidéu, anteontem. Agora, líder do Grupo 4 e bem perto da classificação para as oitavas-de-final, o time começa a ter outro objetivo. Quer somar o maior número de pontos para buscar boa posição na listagem geral e, assim, poder decidir a fase de mata-mata em seus domínios.A importância da primeira fase ficou evidente em 2006, quando o time fez o último jogo no Morumbi até a semifinal. A decisão, porém, foi em Porto Alegre, contra o Inter, quando perdeu a chance do tetra. Nos dois anos seguintes, as campanhas ruins na primeira fase tiveram consequências. Em 2007, a queda ocorreu nas oitavas-de-final, contra o Grêmio, também em Porto Alegre. Em 2008, caiu contra o Fluminense no Rio, pelas quartas-de-final. O atacante Washington, carrasco do São Paulo naquela partida, lembra que seu ex-time aproveitou a vantagem - classificou-se com a melhor campanha entre as 16 equipes. "Tivemos todas as decisões em casa. Por isso, vamos buscar o máximo de pontos para poder decidir sempre no Morumbi."PRUDENTE, NEM PENSARNo retorno da delegação são-paulina do Uruguai, o presidente Juvenal Juvêncio disse que fará "o impossível" para evitar a mudança do jogo contra o São Caetano, no dia 5, para Presidente Prudente. E voltou a dizer que, se pudesse, escalaria o time que jogou a Copa São Paulo para atuar no Estadual. "Sou indagado, a toda hora, para não diminuir a importância do Paulista. Mas, quando se permite que se faça o que o São Caetano está fazendo, é preciso uma mudança de rumo."Juvenal não confirmou se o São Paulo vai escalar a equipe de juniores caso o jogo seja mesmo marcado no interior. "Não vou sugerir nada ao Muricy, mas quero ver o rumo das coisas. No andar das carruagens ajustam-se as abóboras."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.