São Paulo testa a vocação para título

Bicampeão coloca a boa fase em jogo no duelo com o Inter, no Sul

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

23 de julho de 2008 | 00h00

Nos últimos anos, São Paulo e Internacional têm decidido títulos importantes. Em 2006, os colorados conquistaram a Taça Libertadores, mas os são-paulinos deram o troco no Campeonato Brasileiro. Os dois clubes, donos de estruturas que são referência no futebol brasileiro, também costumam disputar a contratação de alguns bons jogadores. Os paulistas levaram a melhor com o zagueiro Miranda e com o ala Jorge Wagner, enquanto o atacante Nilmar, e, recentemente, o meia D?Alessandro, foram para Porto Alegre. Hoje, às 21h50, no Estádio Beira-Rio, haverá mais um capítulo desta rivalidade.O São Paulo está em fase de crescimento no Brasileiro. Com 23 pontos, na quinta colocação, venceu as últimas três partidas. Duas delas contra adversários diretos na briga pelas primeiras posições na classificação - 2 a 1 contra o Palmeiras e 3 a 1 em cima do Vitória. "A equipe está crescendo no momento certo", reconhece Zé Luís. "É sempre importante vencer equipes que estão brigando na nossa frente, são jogos de seis pontos." Na decisão desta noite, como gosta de lembrar o técnico Muricy Ramalho, o São Paulo também mostra se está mais viva do que nunca sua vocação para títulos. Se vencer, pode alcançar o líder Flamengo (confira arte ao lado) e ficar mais perto do terceiro (e inédito no Brasileiro) título seguido. De quebra, breca o Inter nos 19 pontos e deixa o rival bem mais distante da briga pela taça. "Esta semana é muito importante para nós", afirma Muricy. "Pode ser que depois do jogo de domingo (contra a própria Lusa, no Morumbi), a gente já esteja no primeiro lugar." Sonho nada impossível. O confronto com o Inter tem os ingredientes de um grande espetáculo: equipes afinadas, clima de decisão, rivalidade, estádio cheio. Muricy já treinou a equipe gaúcha e sabe muito bem disto. "Tem tudo para ser um grande jogo, como os anteriores", pondera. "Gosto muito deste time do Inter." Porém, em partidas de tamanha importância, o carinho fica em segundo plano. "É o clube que me revelou para o mercado, tive uma passagem muito boa por lá (em 2002 e 2003, e depois no final de 2004 e em 2005)", reconhece. "Mas eu quero mesmo é ganhar o jogo." Simples e direto.Uma vitória daria mais ânimo para o elenco são-paulino, principalmente em um momento que sofre com os desfalques - Miranda e Borges estão lesionados, enquanto Hernanes e Alex Silva servem à seleção que disputará a Olimpíada. "Vamos provar que o grupo do São Paulo é muito forte", afirma o meia Hugo. DAGOBERTO SEGUE NO TIMEOs desfalques fazem com o que o time que iniciará a partida ainda seja um grande ponto de interrogação. A dificuldade de escalar a defesa com três zagueiros deve fazer com que Muricy deixe de lado o 3-5-2. A aposta deve ser em duas linhas de quatro, com a qualidade de armação de Hugo e Jorge Wagner pela esquerda e um atacante de referência como Aloísio para segurar os zagueiros colorados, que costumam subir ao ataque com freqüência. Joílson fecha o meio-de-campo e Dagoberto ganha a posição de segundo homem de frente. "Ele teve paciência, trabalhou bem e teve oportunidade. Enquanto estiver assim, é titular", elogia Muricy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.