São Paulo testa os nervos no Paraguai

Equipe tenta se recuperar de derrota no clássico contra o Sportivo Luqueño

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2008 | 00h00

O São Paulo será duplamente testado no jogo contra o Sportivo Luqueño, hoje, às 19h20, no Estádio Feliciano Cáceres, em Luque, no Paraguai, pela Taça Libertadores. Além de mostrar que superou a goleada por 4 a 1 sofrida para o Palmeiras, no domingo, o time do Morumbi colocará à prova seu equilíbrio emocional. Os brasileiros devem sofrer grande pressão - tanto do time adversário quanto da torcida local. E a tranqüilidade, que tem faltado em algumas ocasiões no Estadual, será fundamental para conquistar resultado positivo, que deixaria a equipe perto da segunda fase do torneio - soma 4 pontos em dois jogos no Grupo 7. Online todos os lances da partida"Nosso elenco é experiente, já conquistou vários títulos e está acostumado com as situações de adversidade", afirma o atacante Éder Luís, confirmado como titular. "A pressão não vai ser motivo para abater o time", completou. Pela dificuldade do duelo, a comissão técnica espera que o time de fato utilize a experiência em competições sul-americanas, não repita falhas como as demonstradas diante do Palmeiras - cometeu três pênaltis em apenas 15 minutos - e tenha sangue frio para administrar dificuldades, a exemplo do que fez diante do Nacional, na Colômbia, e do Audax, no Morumbi, partidas em que saiu perdendo e se recuperou.Na reunião que teve ontem com os jogadores, já no Paraguai, o técnico Muricy Ramalho exibiu vídeo com as principais jogadas do Luqueño. E alertou seus comandados para a força do jogo aéreo do rival. "Eles têm atacantes altos e usam muito as bolas alçadas na área, já que o campo é pequeno", comenta Muricy, impressionado com Lazaga e Gigena, a dupla de ataque paraguaia.Por isso, no último treino no Brasil, antes da viagem para Assunção, onde o time está concentrado, Muricy determinou que os zagueiros trabalhassem bastante o cabeceio. "Não podemos perder a concentração, não é porque o Luqueño é desconhecido que será um jogo fácil."Para melhorar o jogo aéreo, o treinador terá a volta do zagueiro Miranda. E deve escalar Zé Luís como lateral-direito ou terceiro zagueiro. No ataque, Muricy espera que Adriano repita o desempenho de domingo. "Contra o Palmeiras foi o melhor jogo dele neste ano."A última vez em que o São Paulo jogou no Paraguai foi em 1994, pela semifinal da Libertadores. Perdeu para o Olimpia no tempo normal por 1 a 0, mas venceu nos pênaltis."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.