São Paulo tropeça nos próprios erros e dá adeus à final

Equipe tricolor tinha o jogo sobre controle, mas falha em dois lances de bola parada e permite o Coritiba vencer por 2 a 0

FERNANDO FARO, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2012 | 03h07

Não foi dessa vez. Nem mesmo o bom primeiro tempo foi capaz de levar o São Paulo à final da Copa do Brasil. A equipe falhou quando não podia, foi derrotada por 2 a 0 pelo Coritiba no Couto Pereira e dá adeus a uma competição cujo título jamais conquistou e era visto como obrigação pela diretoria.

Ao contrário do que aconteceu no duelo de ida, o Tricolor se apresentou com mais tranquilidade e não se impressionou com o "Inferno Verde" proporcionado pela torcida paranaense. A pressão vinda das arquibancadas inflamou os donos da casa, que cumpriram à risca o script de quem precisava reverter um tropeço fora de casa e partiram para o ataque desde o começo. Mas Emerson Leão se antecipou e escalou o time com Rodrigo Caio, volante de origem, no lugar de Douglas. A ideia era neutralizar os avanços de Rafinha, que não jogou no Morumbi pela lateral. Mesmo improvisado, o garoto fez o que se esperava e fechou uma das principais portas ofensivas do rival. No mais, Denilson colou em Everton Ribeiro e Casemiro subiu menos do que de costume.

O Coritiba acusou o golpe, começou a se ver sem opções para atacar e foi ficando nervoso à medida que suas investidas esbarravam na barreira defensiva imposta. O cenário são-paulino parecia cada vez mais favorável por causa dos muitos espaços livres para trabalhar a bola no meio. Por diversos momentos, Jadson e Cícero puderam caminhar sem serem incomodados e Lucas infernizava Lucas Mendes pela ponta. Faltava, porém, pontaria, pois as chances apareceram. A equipe jogava como manda o figurino do bom visitante.

A chuva deixou o campo pesado e os erros de passe deixaram o jogo truncado. Seria preciso um lance isolado ou uma desatenção defensiva para alterar o cenário para qualquer um dos lados. Pois as duas possibilidades se juntaram quando Emerson apareceu no meio da zaga e ganhou no alto de Rhodolfo, de 1,93m, para abrir o placar em rápida cobrança de escanteio. Nem mesmo o gol abateu o Tricolor, que continuou trocando passes e evitando a afobação. Havia razões para acreditar, pois o Coritiba dava espaços ao adversário.

Só que a velha falta de padrão Tricolor voltou a aparecer e o time passou a apostar apenas na velocidade de Lucas e Luis Fabiano não conseguia aproveitar as chances que apareciam. A displicência cobrou seu preço aos 16 minutos da etapa final, quando Everton Ribeiro se aproveitou de falha de posicionamento da zaga para, sozinho, cabecear no contrapé de Denis e dar o golpe de misericórdia.

Sem a possibilidade dos pênaltis, restou partir com tudo para cima e deixar a defesa escancarada à espera dos previsíveis contra-ataques. Jadson e Casemiro foram substituídos pelos também inoperantes Fernandinho e Maicon, que pouco acrescentaram. O camisa 12 ao menos tentou dar mais velocidade ao time pelo lado esquerdo, mas sua famigerada jogada de levar ao fundo e cruzar rasteiro falhou.

O relógio foi correndo tranquilamente para os minutos finais enquanto os donos da casa tentavam valorizar a posse de bola e o Tricolor jogava na base da valentia e da superação. Foi pouco. A equipe volta para casa eliminada e com o sonho do título inédito e retorno à Libertadores adiados. Resta o Campeonato Brasileiro e a certeza de que não são só as individualidades que podem levar uma equipe ao título. O Coritiba se classificou pelo que apresentou nas duas partidas e vai para sua segunda final consecutiva com todos os méritos. Emerson Leão precisará mostrar resiliência nos próximos jogos se não quiser ver sua vida no Morumbi abreviada. A realidade veio com um duro golpe, resta saber se haverá tempo de evitar uma crise.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.