São Paulo utiliza reservas. Zagueiro Samuel estreia

Rogério Ceni e Xandão são os únicos titulares do tricolor paulista. Defesa tem desafio de evitar rotina de gols pelo alto

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2010 | 00h00

Samuel tem 24 anos. Já não é qualquer novato no futebol. Mas só hoje terá sua primeira oportunidade num time de ponta - ou nem tanto, já que Ricardo Gomes poupará titulares. O zagueiro, que começou no Ituano e foi contratado do Joinville, estreará no São Paulo logo contra o Santos. Logo em clássico onde os dois times penam em crise.

A fogueira não assusta. "Só os grandes jogadores conseguem se destacar também em momentos de dificuldade", filosofa o zagueiro. "Espero que esse seja o meu caso. Não tenho que escolher momento para jogar. Tenho vontade de estrear logo."

O zagueiro demonstra segurança, embora, durante a entrevista, repita os famosos bordões dos boleiros. "Estamos treinando bem", "vou dar o meu máximo". E é tudo isso que o técnico Ricardo Gomes esperava mesmo quando aprovou sua contratação durante a Copa do Mundo.

Samuel chegou tímido. Continua de poucas palavras nos treinamentos, rachões e mesmo nos momentos que os jogadores dividem a concentração. Mas está confiante de que, apesar do momento de adversidade e do temido desentrosamento de uma equipe que não está acostumada a atuar junto, possa ganhar pontos com o chefe. "Medo, no futebol, não deve existir para quem quer ir longe", diz, ambicioso. "O time de baixo tem treinado junto marcando jogadores do nível do Fernandão, do Washington, do Dagoberto. Então contra o Santos é só fazermos o que estamos executando nos treinamentos com esses atletas."

Se Samuel conseguir que a defesa acabe com a triste sina de tomar gols em jogadas aéreas, o zagueiro ganhará muitos pontos com o treinador. Esse é o problema que mais incomoda Ricardo Gomes ultimamente - foram três gols tomados assim em apenas dois jogos. A partir de uma defesa sólida, que levou apenas dois gols na Taça Libertadores, que o São Paulo alcançou as semifinais da competição. "Todos os zagueiros aqui são muito bons", faz média o novato da turma. "Gols de cabeça são uma questão de posicionamento da defesa. Então tudo que temos que fazer é corrigir."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.