São Paulo vence, respira e aumenta a crise no Santos

Washington faz os dois do triunfo por 2 a 1 e ameniza turbulência no Morumbi, em clássico com pouco público

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

20 de julho de 2009 | 00h00

Clássico serve para dar um fôlego ao vencedor e fazer o derrotado balançar. Ontem, no Morumbi, São Paulo e Santos em crise não podiam se dar ao luxo de dispensar uma vitória. Os donos da casa saíram do estádio aliviados. Com dois gols de Washington, aplicaram 2 a 1 no rival e ganharam um pouco de fôlego em meio à fase difícil.O técnico são-paulino deu mais segurança defensiva à equipe ao escalá-la de novo no esquema com três zagueiros - o mesmo do empate com o Flamengo, 2 a 2, há oito dias. Só inovou ao pôr o volante Jean na ala-direita e nem chamar Zé Luis para compor o banco de reservas. Ricardo Gomes também manteve Hernanes, suplente no último jogo (derrota para o Atlético-MG, por 2 a 0) e surpreendeu ao promover o retorno de Bosco no lugar do jovem Denis.O Santos perdeu Kléber Pereira, que chegou ao clube por intermédio de Vanderlei Luxemburgo - que reassume o comando da equipe hoje -, com problemas físicos. O interino Serginho Chulapa optou, mesmo assim, por deixar Neymar no banco e puxar o rápido Madson para o ataque ao lado de Roni. Pará ganhou uma vaga no meio-campo."Motivado" por uma crise maior que a do rival, o São Paulo começou a partida pressionando. Nos primeiros 15 minutos, na base de tabelas rápidas de Marlos e Dagoberto, teve pelo menos duas chances de marcar. Como a fase é ruim, a bola não entrou. Depois dos sustos, o Santos equilibrou a partida. O jogo então seguiu truncado no meio de campo até os 44 minutos. O Santos tentou ir à frente e o São Paulo se aproveitou no contra-ataque. Jean lançou Dagoberto na entrada da área, o atacante levantou para Washington, que marcou, de cabeça, um gol depois de oito partidas - ficou na reserva nas últimas duas rodadas. Mas nem vantagem parcial no marcador os são-paulinos conseguiram comemorar. Aos 46, Germano lançou Roni nas costas da defesa tricolor e os santistas empataram.Se o dia estava nublado em São Paulo, Washington ao menos conseguiu enxergar alguma luz. Aos 5 minutos do segundo tempo, o camisa 9 mostrou de novo o faro de artilheiro que havia ficado esquecido por quase dois meses. Depois que Douglas defendeu um chute à queima-roupa de Dagoberto, o centroavante pegou o rebote e tocou para as redes. Os são-paulinos fogem um pouco da parte de baixo da tabela e os santistas ficam parados - ambos somam 14 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.