São Paulo: vitória de campeão

Difícil, sofrido e sem espetáculo. Mas com raça, time vira sobre o Inter (2 a 1) e se aproxima mais do título

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

01 de outubro de 2007 | 00h00

O São Paulo é um time brigador. Pode até não estar numa tarde inspirada e errar mais do que o normal. Mas raça não falta aos jogadores. Ontem, no Beira-Rio, um cansado tricolor enfrentou o Inter e, após levar 1 a 0, parecia que não iria conseguir a virada. Conseguiu! Fez 2 a 1 e chegou a 16 partidas de invencibilidade no Campeonato Brasileiro. Abriu, assim, 12 pontos de vantagem sobre o Cruzeiro (63 a 54) , que perdeu do Figueirense. O pentacampeonato está cada vez mais perto, a 10 rodadas para o fim da competição.A última derrota do São Paulo no Brasileiro foi no dia18 de julho, no Morumbi: 1 a 0 para o Fluminense. Desde então, o time de Muricy Ramalho venceu 14 vezes e empatou apenas duas. Nesse meio tempo, sofreu um revés para o Boca Juniors, por 2 a 1, há 12 dias, no jogo de ida da Copa Sul-Americana, em Buenos Aires. Na última quarta-feira, os são-paulinos correram dobrado e fizeram 1 a 0 nos argentinos, classificando-se para a fase seguinte. O jogo foi desgastante. Assim como a partida do Beira-Rio. Correria, mais uma vez. O São Paulo falhou ontem onde não costuma errar: no setor defensivo. Aos 21 minutos, bola alçada na área e o uruguaio Sorondo, livre, subiu para anotar seu primeiro gol na competição. O Inter nem teve muito tempo para comemorar. No minuto seguinte, o zagueiro Índio foi expulso.Pronto, era a chance que o São Paulo precisava para tentar a virada. Ela veio, mas demorou mais do que o torcedor tricolor imaginava. Os donos da casa se fecharam bem e não deixaram o adversário levar perigo ao gol de Clemer no primeiro tempo. E nos contra-ataques, quase chegaram ao segundo - Fernandão chutou e a bola passou rente à trave direita de Rogério Ceni."A gente sabia que eles iriam adiantar a marcação e isso dificultou nossa saída de bola", disse Jorge Wagner, com razão, no intervalo. A preocupação não estava apenas do lado tricolor. Os colorados sabiam que a segunda etapa seria mais complicada do que a primeira. "Já é difícil jogar com 11 contra eles, imagina com 10", disse o técnico Abel Braga. "Vamos tentar ser heróis, ganhar deles não é fácil."A partida ganhou ares de drama. Os dois times abusaram das faltas, das reclamações, atuaram como se fosse final de campeonato. O Inter, bem fechado, apostou nos contra-ataques e teve pelo menos duas boas chances de balançar a rede, com Guiñazu e Fernandão. Já o São Paulo, com maior posse de bola, não conseguia se livrar da marcação colorada. Mostrou nervosismo em campo. E mostrou, também, ter estrela. Diego Tardelli cruzou da direita e Edinho marcou contra, aos 28 minutos. Borges fez o vira aos 32 e, depois, Rogério Ceni salvou o empate do Inter, ao fazer bela defesa em chute de Fernandão. O São Paulo, mais uma vez, atuou com ares de campeão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.