São Paulo x Coritiba: duelo de atacantes

Borges é um dos destaques do time paulista; Keirrison, a revelação paranaense. Ambos têm carreiras semelhantes

Marcius Azevedo, O Estadao de S.Paulo

24 de agosto de 2008 | 00h00

O destino de São Paulo e Coritiba no Campeonato Brasileiro, hoje, às 16 horas, no Couto Pereira, passará pelos pés de dois atacantes com trajetórias parecidas na competição. Borges e Keirrison sofreram com contusões e agora lutam para colocar seus respectivos times no grupos dos quatro melhores - que garantem vaga na Taça Libertadores da América de 2009 - e, conseqüentemente, ficar mais próximo do líder Grêmio.A lesão do artilheiro do Coritiba aconteceu logo na estréia, contra o Palmeiras (vitória por 2 a 0 em Curitiba). O problema muscular na coxa esquerda afastou Keirrison por oito partidas. Depois disso, ele voltou ainda sob desconfiança. Até desandar a fazer gols. Foram sete nos últimos cinco jogos, 11 no total."Fico contente por estar fazendo gols, até porque a lesão me atrapalhou bastante no início do campeonato", afirma.Já Borges começou o Brasileiro bem, era o artilheiro do São Paulo até se machucar coincidentemente também num jogo contra o Palmeiras (vitória por 2 a 1, no Morumbi). A luxação no cotovelo do braço esquerdo deixou o atacante fora de combate por período semelhante ao de Keirrison: oito jogos. Borges voltou no segundo tempo da derrota para o Grêmio, por 1 a 0, no Sul, semana passada, e foi titular contra o Atlético-PR, partida em que marcou um dos gols da vitória por 3 a 1. "O Borges é goleador, um jogador diferenciado, e faz o papel de pivô como ninguém", elogia o técnico Muricy Ramalho, que não cansa de dizer que foi ele o responsável pela contratação do atacante em 2007. "Indiquei ele e o André Dias. Acho que fui bem", enfatiza.Oito anos mais jovem, Keirrison respeita o rival. "Já o vi aqui no Paraná e também no São Paulo. É um atacante que sabe fazer gols, está sempre bem colocado na área. Temos de tomar cuidado com ele", afirma.O camisa 9 do Coritiba também preocupa o São Paulo. "Ele está em um bom momento. Precisamos ter atenção", avisa o zagueiro André Dias, que volta ao time. Keirrison espera uma partida difícil. Equilíbrio há: os paulistas têm 36 pontos e os paranaenses, 35. "É uma chance para entrar no G4. Temos de conseguir uma vitória em casa, procurar marcar forte, só assim podemos vencer", diz Keirrison. O atacante também espera deixar sua marca e continuar na briga pela artilharia. Ele está atrás do palmeirense Alex Mineiro e do santista Kléber Pereira, ambos com 13 gols. Borges, que tem sete gols, também sonha em terminar o campeonato como o goleador máximo. "Já fui artilheiro do time ano passado. Quero brigar este ano", diz Borges, 17 gols na temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.