Sarah, muito prazer!

Com apenas 17 anos, piauiense surpreende na caminhada a Pequim

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

23 de fevereiro de 2008 | 00h00

Vem dos tatames de Teresina, no Piauí, a grande surpresa do processo seletivo do judô para a Olimpíada de Pequim. Sarah Menezes, de 17 anos, foi quem conquistou o melhor resultado do País nas duas primeiras competições no Circuito Europeu: um bronze na Copa do Mundo de Budapeste, há uma semana. Feito exaltado pelo coordenador-técnico das seleções, Ney Wilson. "Ela é uma atleta candidata não apenas à vaga de titular", destacou. "Eu diria que, se ela for aos Jogos, é candidata até a uma medalha."As conquistas na Europa serão utilizadas para a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) definir quem irá à China como titular. O bronze ganho na Hungria põe Sarah em boa vantagem contra sua adversária no peso ligeiro (-48kg), a carioca Daniela Polzin, 11 anos mais velha e medalha de prata no Pan do Rio. Ela não conseguiu passar de sua primeira luta na Alemanha, na sexta-feira (Daniela voltará a competir em Varsóvia, na semana que vem).Ao falar de seu feito, Sarah admite o orgulho. "Lutei bem pra caramba", diz. "O nível das competições estava muito forte. Eu me superei." Isso porque, além do bronze, a judoca precisou lutar contra uma torcida apaixonada na França, primeira parada da seleção em solo europeu. Na competição de estréia, a Super Copa de Paris, ficou com o 7º lugar, enfrentando um ginásio com quase 13 mil pessoas. "Foi a primeira prova de fogo", atesta o técnico Expedito Falcão, com Sarah há 9 anos. A judoca também passa por outras provas. Sem patrocínio, conta com a amizade de profissionais para ter médico, fisioterapeuta e psicóloga. Com o esporte, conseguiu uma bolsa de estudos em um colégio particular. Enquanto se prepara para iniciar o último ano do ensino médio, Sarah tenta controlar a ansiedade. Chegou a Teresina, na sexta-feira pela manhã, e não parou de dar entrevistas. Logo cedo, acompanhou os passos de Daniela Polzin na Europa, pela internet. E não vê a hora de março chegar - a CBJ definirá a equipe no mês que vem.ORGULHO DO PIAUÍSarah é acostumada a resultados expressivos, apesar da idade. É a única atleta que unificou três títulos brasileiros - juvenil, júnior e sênior - por duas vezes (em 2005 e 2006). O meio-leve João Derly, bicampeão mundial, também chegou ao feito - só uma vez. Mas, garantindo a vaga para Pequim, Sarah pode ser a primeira mulher piauiense em uma Olimpíada - o velocista Claudio Roberto de Souza, também de Teresina, foi medalha de prata no revezamento 4 x 100 m, em Sydney/2000. Neste ano, o governo estadual custeou a viagem de seu técnico para a Europa. "Ela foi descoberta e continua treinando aqui, dentro da estrutura que temos", diz Expedito. "Apesar de sermos de um Estado distante, o judô que Sarah tem não é menor que o de ninguém. Lá fora ela luta de igual para igual."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.