Scheidt ainda em dúvida sobre futuro

Robert Scheidt já decidiu que vai mudar para a classe Star, mas ainda não sabe quando fará isso. Depois de ganhar seu 8º título mundial, na última quarta-feira, em Fortaleza, o iatista percebeu que tem condições de permanecer na Laser até os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, e conquistar sua terceira medalha de ouro.?Antes do Mundial de Fortaleza tinha uma certeza para minha carreira. Agora complicou. É uma decisão muito difícil e fechar uma porta definitivamente é até um pouco triste. São os três próximos anos da minha carreira que estão em jogo?, afirmou Scheidt, em entrevista coletiva nesta sexta-feira, em São Paulo, adiando a definição sobre seu futuro profissional.Aos 32 anos, Scheidt já conquistou tudo o que podia na Laser. Foram 8 títulos mundiais, duas medalhas olímpicas de ouro (Atlanta/96 e Atenas/04) e outra de prata (Sydney/00), além do tricampeonato pan-americano. Por isso, em busca de novos desafios, amadurecia a idéia de mudar para a Star, classe do também bicampeão olímpico Torben Grael.A incrível campanha em Fortaleza - foram 9 vitórias em 14 regatas - fez Scheidt perceber que uma medalha nos Jogos de 2008 é quase certa se ele continuar na Laser. ?Antes do Campeonato Mundial, não achava que poderia chegar a Pequim em condições de ganhar a quarta medalha olímpica da carreira. Agora sei que isso é possível?, admitiu o iatista.Na Star ele terá a concorrência de Torben Grael, o que pode até tirá-lo da Olimpíada de Pequim - há apenas uma vaga por classe para o Brasil. Mas isso não lhe causa medo: ?Esse desafio é um estímulo para mim.?A definição tem que acontecer, segundo Scheidt, até o ano que vem, para dar tempo de fazer uma preparação adequada para os Jogos de Pequim. ?Se optar pela mudança de classe, tenho de entrar de cabeça no calendário internacional em 2006. Mas não preciso e não quero, no momento, largar a Laser de uma vez?, explicou.Assim, por enquanto, Scheidt deve continuar conciliando a disputa de campeonatos nas duas classes, com já fez durante todo esse ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.