Paulo Favero/Estadão
Paulo Favero/Estadão

Scheidt desiste de aposentadoria e vai tentar vaga nos Jogos de Tóquio-2020

Com duas medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze, velejador decide voltar a competir

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2019 | 11h34

O velejador Robert Scheidt decidiu buscar mais uma vez a vaga olímpica. A intenção do atleta, de 45 anos, é disputar os Jogos de Tóquio, em 2020, na classe Laser, que exige que o competidor esteja muito bem fisicamente. Até por isso, ele já vem fazendo um trabalho de fortalecimento e garante estar em forma para chegar à sua sétima Olimpíada consecutiva.

"Comecei a criar esse pensamento em setembro, quando comecei a treinar com outros estrangeiros. Velejei em alto nível, meu corpo reagiu bem. Venho aos poucos retomando os treinamentos e fazendo a preparação física específica. Ao invés de treinar três horas e meia, será um pouco menos, mas com mais qualidade. Terei de lidar com dores, inevitavelmente, mas sei que o mental puxa muito o físico", explicou. "Espero surpreender positivamente."

Scheidt começou sua trajetória olímpica em Atlanta, em 1996. Ganhou a medalha de ouro na classe Laser, depois foi prata quatro anos depois nos Jogos de Sydney, na Austrália, e conquistou novamente o lugar mais alto do pódio em 2004, em Atenas, todas na mesma embarcação. Na edição seguinte, em Pequim-2008, foi prata na Star e depois, em Londres-2012, ganhou o bronze. Sua pior colocação na história foi o quarto lugar nos Jogos do Rio-2016, já de volta à Laser.

"Eu ainda me divirto muito velejando e acredito que posso ser competitivo. Isso é fundamental para esse projeto. Não vai ser fácil, teremos alguns altos e baixos, mas acho que tenho chances de brigar pela vaga e tentar disputar mais uma Olimpíada. Não tenho nenhuma lesão que me impeça de competir. O importante é aprender qual o tipo de dor está sentindo", afirmou.

O velejador brasileiro é considerado uma lenda viva da vela e espera conseguir corresponder às expectativas. Um fator que ajudou a pesar em sua decisão foi a sua participação na Copa Brasil de Vela, no final do ano passado, em Florianópolis, quando ficou com a medalha de prata (perdeu no desempate para Bruno Fontes), superando atletas até 20 anos mais jovens em seu retorno à classe Laser.

"Idade não é impeditivo, tenho que usar a experiência que adquiri em todos esses anos. Claro que a preparação terá de ser diferente, terei de ser inteligente", comentou o velejador, que terá sua primeira missão no Troféu Princesa Sofia, em Palma de Mallorca, em março. Depois tentará disputar o evento em Hyère, na França, e também o Mundial da Laser no Japão, em julho, que é seletivo para a Olimpíada.

"Para esse primeiro evento em Palma de Mallorca não terei apoio da Confederação Brasileira de Vela ou do COB (Comitê Olímpico do Brasil). Tenho patrocínio do Banco do Brasil e da Rolex que me ajudam. Claro que se for bem, fatalmente o pessoal do COB vai me chamar para uma conversa. Espero que isso aconteça. Sei que será uma competição extremamente difícil, com mais de 200 barcos", disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.