Scheidt ganha 1º ouro para o Brasil

O iatista Robert Scheidt entrou para a história olímpica do Brasil ao conquistar neste domingo a medalha de ouro na classe Laser de iatismo - a primeira do País nos Jogos de Atenas e a segunda dele na carreira. Scheidt, campeão em Atlanta-96, igualou o recorde de Adhemar Ferreira da Silva, bicampeão olímpico consecutivo (em Helsinque-52 e Melbourne-56) no salto triplo. O velejador, que poderia chegar até em 9º lugar na 11ª e última regata da Laser, cruzou a linha de chegada em sexto. A medalha de prata ficou com o austríaco Andreas Geritzer e o bronze com o esloveno Vasilij Zbogar.Scheidt, heptacampeão mundial na Laser, soma agora três medalhas olímpicas, pois foi prata em Sydney-200. O maior iatista brasileiro de todos os tempos começou jogando tênis. Aos 9 anos, porém, quando ganhou do pai seu primeiro barco e entrou na escolinha de vela na represa de Guarapiranga, mudou o rumo. Empolgado com os bons resultados, Scheidt passou a se dedicar com afinco ao esporte.Em 1985, aos 12 anos, conquistou seu primeiro título, o de campeão brasileiro da classe Optimist, para crianças. Em 1991, ganhou o Mundial Juvenil da Laser. Quatro anos depois, o primeiro título mundial da classe na categoria principal, uma prévia do que faria em Atlanta-1996, quando levou a medalha de ouro.Campeão olímpico, Scheidt assumiu de vez a carreira de atleta profissional e só aumentou seu prestígio na modalidade. Faturou em seguida o tricampeonato do mundo, antes de partir para Sydney-2000 como grande favorito. Um erro na última regata, disputada no sistema match-race, o levou a perder o ouro para o inglês Ben Ainslie (agora na Finn) e ficar com a prata.Nos últimos anos, esse paulistano de 31 anos, consolidou ainda mais sua hegemonia na classe Laser, faturando mais quatro títulos mundiais (2000, 01, 02 e 04) e o segundo ouro olímpico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.