Scheidt volta à Europa de olho em Atenas

O iatista Robert Scheidt não compete na Europa desde setembro de 2003, onde encontrará seus principais rivais na classe Laser, na Semana de Hyères, na França, de 25 a 30, depois no Mundial de Bodrum, na Turquia, de 10 a 19 de maio, e na Semana de Kiel, na Alemanha, de 23 a 27 de junho. Sempre acompanhado pelo técnico Cláudio Bieckarck - portando uma câmara com a qual vai filmar tudo para apontar principalmente os erros na velejada que terão de ser corrigidos - e com objetivos diferentes para cada competição. Todas elas, no entanto, tem um objetivo em comum, a preparação final para os Jogos Olímpicos de Atenas, em agosto.Scheidt, que completa 31 anos quinta-feira, viaja para a França na terça-feira, após cinco títulos conquistados desde o início da temporada, todos no Brasil, ainda que em torneios com a participação de velejadores estrangeiros. Para Hyères, a preocupação não é com resultado. "Quero treinar largada, arriscar, inclusive, analisar a velejada, medir a minha velocidade com os mais fortes da categoria, passar muitas horas dentro do barco, ganhar ritmo..."No Mundial, ao contrário, "o resultado é o que importa". Scheidt quer o sétimo título mundial que deixou escapar no ano passado. "Vou traçar a estratégia de acordo com o que encontrar na Turquia. Mas serão 14 regatas, de longa duração - cerca de 1h20min cada uma -, concentradas em sete dias, com duas flotilhas de 80 barcos, que exigem muita concentração." Nesta terça-feira, Scheidt foi tirar visto para Turquia, mas terá de voltar porque o passaporte não tinha mais espaço. Vai ter de tirar outro passaporte primeiro.Treinos - Dez dias de treinos, em junho, na "desafiante" raia da Olimpíada de Atenas, perigosa por ter ventos irregulares que podem levar o velejador à fazer escolhas erradas, vão anteceder a Semana de Kiel, um campeonato tradicional, com mais de 110 edições, o Wimbledon da vela, se comparado ao tênis, do qual Scheidt é bicampeão (1999 e 2000). Aí, mais uma vez, o objetivo não é o resultado. "Ainda se pode errar, ver no que está errando para corrigir. É a última chance na agenda de competir contra os principais rivais sem estar tão perto de Atenas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.