Schlitter é prata. E contesta juiz

Brasileiro considera injusta a vitória concedida por árbitros, um deles cubano, a Oscar Brayson, também de Cuba

Bruno Chazan, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

O judô brasileiro começou ontem a luta para quebrar o recorde de 10 medalhas conquistadas em uma só edição de Pan-Americano, registrado em Santo Domingo, em 2003. E, por pouco, o novato da equipe não trouxe o primeiro ouro: João Gabriel Schlitter, 22 anos, estreante em Pans, foi derrotado pelo cubano Oscar Brayson por decisão dos árbitros na categoria pesados.A luta foi parelha e terminou sem pontuação, nem mesmo no golden score. Dois dos três juízes deram a vitória a Brayson - um deles o cubano naturalizado norte-americano Hector Esteves. Sua escalação, inclusive, gerou queixa por parte do presidente da Confederação Brasileira de Judô, Ney Wilson.Contrariado, o brasileiro considerou sua derrota injusta reclamou da presença de Esteves. Apesar de se dizer feliz com a prata, não sorriu uma única vez na entrevista coletiva. ''''É um grande feito, mas não foi o que eu vim buscar.'''' O técnico Luiz Shinohara aceitou o resultado. ''''A luta foi muito igual. O João foi melhor no tempo normal, mas faltou iniciativa no golden score. Decisão com Cuba é sempre desse jeito, a gente não sabe para onde vai.''''Apesar da frustração, o carioca Schlitter é apontado como uma das maiores revelações do País. Antes do Pan, conquistou o terceiro lugar na etapa de Budapeste da Copa do Mundo, em que perdeu justamente para Brayson. Tem no currículo dois títulos do Pan-Americano júnior. ''''Ele tem tudo para ser um dos melhores pesos pesados da história do judô brasileiro'''', crava o campeão olímpico e hoje comentarista Aurélio Miguel.Os bronzes ficaram com o peruano Carlos Zegarra e o haitiano Joel Brutus, que comemorou bastante o feito: foi a quarta medalha do país em toda a história dos Jogos.Hoje, Mayra Aguiar luta com Sarai Mendoza, de El Salvador, na categoria médio, e Luciano Correa, meio-pesado, pega o argentino Orlando Baccino, pelas eliminatórias. Já nas quartas, a meio-pesado Edinanci Silva enfrenta Mirla Nolberto, da Guatemala, e o meio-médio Tiago Camilo luta com Alexis Melendez, de Porto Rico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.