Schumacher desabafa: 'Pódio é minha resposta'

As críticas estavam incomodando muito Michael Schumacher pela grande diferença de desempenho entre ele e o companheiro de Mercedes, o também alemão Nico Rosberg. "Esse pódio é a minha melhor resposta", afirmou, com certa raiva, logo no início da conversa com a imprensa. Schumacher, aos 43 anos, terminou o GP da Europa na terceira colocação. É o primeiro pódio desde o retorno à Fórmula 1, em 2010. Foram 45 etapas. Curiosamente, o recorde de pódios seguidos na história é seu, 19, entre as temporadas de 2001 e 2002. Com o de ontem, soma respeitáveis 155. Alain Prost, em segundo, tem 106.

/ L.O., O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2012 | 03h03

"Eu não sabia que tinha chegado ao pódio", contou, rindo, Schumacher. "Recebi a bandeirada preocupado em ultrapassar quem via na frente naquelas voltas frenéticas, bem como me defender do ataque de Mark (Webber), que não tinha ideia da minha colocação", explicou. "Perguntei no rádio a posição que havia terminado e me disseram 'terceiro, você vai para o pódio'. Claro que depois de largar em 12.º, imaginar marcar pontos e acabar no pódio é ótimo." A diferença para o companheiro continua grande: 17 a 75. Rosberg classificou-se em sexto.

A Mercedes tem também grande mérito no resultado do veterano por mudar a estratégia de uma para duas paradas. "Foi meio tarde (41.ª volta, a 16 do fim) mas funcionou." Com os pneus macios, Schumacher voava, a ponto de ascender de 11.º para terceiro. Contou, também, com o abandono de Lewis Hamilton, da McLaren, e a perda do aerofólio dianteiro de Pastor Maldonado, da Williams, a uma volta e meia antes da bandeirada.

Se Schumacher tinha o que celebrar, com todos os méritos, Hamilton e Maldonado podiam se lamentar por bons motivos. O inglês não possuía mais pneus, arrastava-se na pista (havia feito o segundo pit stop na 28.ª volta) e Maldonado, em melhor condição, tentava ultrapassá-lo para assumir a segunda colocação. Na curva 13, Hamilton e Maldonado estavam lado a lado, com o venezuelano com a Williams fora da pista. Ao tentar regressar Hamilton não lhe deu espaço, os dois se tocaram e a McLaren foi parar nos pneus de proteção.

"Você nunca deixa ninguém te passar assim facilmente", disse Hamilton. "Ele não me deu espaço, deveria ser punido", afirmou Maldonado. Os comissários concluíram que o venezuelano estava fora da pista e não deveria ter forçado o retorno. Hamilton, defensor da "regularidade" no campeonato, se expôs desnecessariamente, pois, como falou, "já não tinha mais pneus", seria ultrapassado por Maldonado apenas algumas curvas depois. Não somar pontos o fez cair da liderança do Mundial para o terceiro lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.