''Se a Lusa subir, quero jogar a Série A em 2011''

Dodô fez de 2010 o ano da superação. Após ser suspenso por um ano e meio ao ser flagrado no antidoping por uso de remédio indicado por um médico do Botafogo, o atacante deu a volta por cima na Portuguesa. Antes de desembarcar no Canindé, jogou no Vasco, onde ainda é artilheiro da temporada (11 gols), embora tenha deixado o clube em junho. Em entrevista exclusiva ao Estado, o atacante dos gols bonitos comentou sobre o clima de decisão para encarar o Bahia, às 21 horas, em Salvador.

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2010 | 00h00

O fato de o elenco da Portuguesa ser experiente, dona da folha salarial mais alta da Série B, pode acabar pesando na reta final?

A experiência pode ajudar a manter o elenco tranquilo, independentemente do que acontece nos outros jogos. O fato de ter o grupo mais caro, cada clube paga quanto quiser. Não acho que isso deva ser levado em consideração. Nessa hora, dinheiro significa pouco.

Esperava chegar e já se dar bem tão rápido no Canindé?

O que eu fiz no Vasco já foi surpreendente. Não esperava voltar tão bem após ficar um ano e meio parado. Eu ainda sou o artilheiro do time. Incrível, né? Saí em junho e ninguém fez mais gols do que eu. A Portuguesa me acolheu quando eu estava por baixo. Tudo o que faço é uma forma de retribuir o carinho que recebi.

Por que você escolheu a Lusa?

Tive propostas de times da Série A, mas optei pela Portuguesa para ficar perto da família e dos amigos, que são todos daqui de São Paulo.

Você é a estrela do time, mas não se comporta como tal.

Já joguei com jogadores badalados, muito mais do que eu, e pude aprender que não adianta ser mala. Você tem de ser parceiro dos caras, senão você não consegue jogar.

Muitos torcedores reclamam até hoje que você parece frio em campo. Não é de comemorar gols nem mostrar raça.

Sou feliz do jeito que sou. Tem horas que me sinto injustiçado por isso, mas fui e sou feliz desta forma. Não vou mudar para agradar alguém.

Dentro dessas injustiças que você sofreu está o apelido de "Dodorminhoco"?

Evidente que não gosto desses comentários, mas são opiniões e tenho de respeitá-las. Não tem como mudar isso. O negócio é jogar bola e ficar quieto.

O que passou pela sua cabeça no período da suspensão?

Foi uma das maiores injustiças do futebol. Fui suspenso e os demais envolvidos continuaram trabalhando. Foram os piores meses da minha vida.

Encerra a carreira na Lusa?

Meu contrato acaba no fim do ano. Depende dos dirigentes. Se quiserem me mandar embora, fazer o quê? (risos) Não quero sair. Se subir, quero jogar a Série A pela Lusa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.