Seis pilotos com chance em Monza

O pole Hamilton acredita em disputa equilibrada. Rubinho faz o quinto tempo e sai na frente do líder Button

Lívio Oricchio, O Estadao de S.Paulo

13 de setembro de 2009 | 00h00

O treino que definiu o grid do GP da Itália, ontem em Monza, confirmou o que na Bélgica, há duas semanas, já se suspeitava: mais uma vez a ordem de forças do campeonato mudou. Lewis Hamilton, da McLaren, vai largar na pole position, com Adrian Sutil, da surpreendente Force India, na segunda colocação e o agora interessado Kimi Raikkonen, da Ferrari, em terceiro. Os pilotos de Brawn GP e Red Bull, dominadores da temporada, de novo ficaram para trás. Mas Rubens Barrichello, da Brawn, está otimista.

"Quando consigo ser perfeito numa volta tenho imenso prazer. Parece que foi a minha primeira pole", comentou Hamilton, autor da 15ª pole na carreira. Mas o atual campeão do mundo sabe que terá de lutar muito ao longo das 53 voltas no mais veloz traçado da Fórmula 1 com 5.793 metros. "A prova tem tudo para ser uma das mais disputadas."

Ao seu lado, Sutil, mesmo com um carro bastante rápido, reconhece que o fato de não dispor do sistema de recuperação de energia (Kers), capaz de oferecer até 80 cavalos extras de potência, praticamente o impede de lutar pela vitória. "Vimos em Spa-Francorchamps que meu companheiro na época (Giancarlo Fisichella, hoje na Ferrari) não ganhou porque Kimi Raikkonen tinha o Kers na Ferrari", disse o alemão.

Hamilton e seu parceiro de McLaren, Heikki Kovalainen, quarto no grid, Raikkonen, e Fernando Alonso, da Renault, oitavo, dispõem do recurso.

Sutil sabe que já na primeira freada depois da largada deverá perder duas posições, para Raikkonen e Kovalainen. E o finlandês campeão do mundo de 2007, Raikkonen, vencedor da etapa belga, também lembrou a importância do Kers nas longas retas de Monza. "Penso que posso ultrapassar o Sutil, mas o Hamilton também tem Kers."

Para atestar o avanço da Force India, o substituto de Fisichella, o italiano Vitantonio Liuzzi, de volta à categoria, obteve o sétimo tempo.

Rubinho larga em quinto e aposta em chegar ao pódio. Seu companheiro, Jenson Button, sexto no grid, também pensa alto: "Voltei a confiar na possibilidade de vencermos. Ela é real aqui em Monza." O inglês lidera o campeonato, com 72 pontos, seguido por Rubinho, 56. "Meu principal adversário aqui na Itália será o Rubens."

Os outros dois pilotos na luta pelo título, ambos da Red Bull, de novo não foram bem. Sebastian Vettel, terceiro com 53 pontos, sai em 9º, e Mark Webber (quarto, com 51,5), em 10º.

Com certeza Fisichella esperava menos dificuldades na sua estreia na Ferrari, diante dos italianos. Conseguiu apenas o 14º tempo, ontem, diante da terceira colocação de Raikkonen.

O GP da Itália, 13ª prova do calendário, começa às 9 horas (Brasília), ao vivo na TV Globo.

CASO RENAULT

A guerra entre Nelsinho Piquet e Flavio Briatore deu uma trégua ontem. O diretor da Renault disse que só fala no assunto, agora, dia 21, em Paris, diante do Conselho Mundial. E no comunicado de Piquet, sexta-feira, o piloto também afirmou que não mais se manifestará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.