Seleção brasileira de natação garante seis medalhas na França

Em Marselha, Brasil conquista dois ouros, três pratas e um bronze

Estadão Conteúdo

06 Março 2015 | 15h50

A seleção brasileira de natação começou muito bem a temporada. Nesta sexta-feira, no primeiro dia do Aberto do Mediterrâneo, em Marselha (França), a equipe ganhou seis medalhas, sendo duas de ouro, três de prata e uma de bronze. Participam do torneio boa parte dos principais nadadores da Europa, além de nomes como a norte-americana Nathalie Coughlin.

O destaque do dia foi Joanna Maranhão, com duas pratas, sempre perdendo para a estrela húngara Katinka Hosszu. Nos 200m borboleta, fez 2min09s77 e agora é a sétima do ranking mundial. Depois, nos 400m medley, completou a prova em 4min42s66, marca que a coloca em 11.º na lista dos melhores resultados da temporada.

Mostrando a renovada força da natação feminina, uma das medalhas de ouro veio nos 50m costas, com a campeã mundial de piscina curta Etiene Medeiros, que completou a prova em 27s84. O tempo é o terceiro melhor do ranking de 2015.

Os homens também garantiram três medalhas. Leonardo de Deus mostrou que 2015 pode ser o ano dele. O corintiano venceu os 200 metros borboleta de ponta a ponta, com 1min56s20, e assumiu o terceiro lugar do ranking mundial.

Outro atleta do Corinthians, o garoto Brandonn Pierry, de apenas 17 anos surpreendeu ao ganhar o bronze nos 400m medley com 4min19s74, ficando a apenas 0s53 de alcançar o tempo mínimo para ir ao Mundial.

Dez anos mais velho, Nicolas Nilo Oliveira também foi ao pódio, com prata nos 200m livre. Ele completou a prova em 1min49s09, ficando atrás apenas do campeão olímpico Yannick Agnel, da França.

Henrique Rodrigues nadou a final B dos 200m livre e completou em terceiro, com o oitavo melhor tempo geral (1min50s45). Guilherme Guido foi quinto nos 50m costas (25s74), enquanto Larissa Oliveira ganhou a final B dos 200m livre com 1min59s67, se aproximando do recorde sul-americano.

Mais conteúdo sobre:
natação Aberto do Mediterrâneo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.