Seleção brasileira domina manchetes

Até as eleições presidenciais perderam lugar para o futebol nos jornais

Eduardo Maluf, QUITO, O Estadao de S.Paulo

30 de março de 2009 | 00h00

O Equador respira política. São panfletos, outdoors e folhetos poluindo as ruas das principais cidades. A explicação: no dia 26 de abril será realizada a eleição presidencial. No fim de semana, no entanto, o assunto mais falado do país perdeu lugar para a seleção brasileira. Desde a chegada da equipe dirigida pelo técnico Dunga até a noite de ontem, após o confronto com o Equador, o futebol dominou as manchetes.Dezenas de pessoas fizeram festa na entrada do hotel em que a delegação se hospedou em Guayaquil e centenas ficaram do lado de fora do Estádio Monumental, onde o grupo treinou na tarde de sábado com portões fechados. O time seguiu apenas na manhã de ontem para Quito, local da partida, para minimizar os efeitos da altitude de 2.850 metros.Apesar da fraca campanha do time da casa na competição, que havia vencido apenas três vezes em dez rodadas, 37 mil pessoas foram ao Estádio Olímpico Atahualpa, na capital. Nem os preços, altos para o poder aquisitivo da população, afastaram o torcedor. Os ingressos variaram de US$ 15 (R$ 35) a US$ 120 (R$ 270) - o dólar é a moeda utilizada no país.A segurança, reforçada, contou com cerca de 1.200 policiais. Os brasileiros receberam proteção especial desde que desembarcaram em Guayaquil e, apesar do assédio, não tiveram problema. A delegação tem chegada prevista para Porto Alegre na manhã de hoje.PERTO DA REELEIÇÃOOs equatorianos hoje voltam a pensar em política. As eleições mobilizam o povo, embora o vencedor esteja praticamente definido. Na semana passada, levantamento do Instituto Cedatos/Gallup apontou vitória do atual presidente, Rafael Correa, com 48,5% das intenções de voto. O segundo colocado, o ex-presidente Lucio Gutiérrez, tem 14,6% e o empresário Álvaro Noba, 12,9%. Correa deve se garantir no primeiro turno, pois no Equador é preciso obter 40% dos votos válidos e 10% a mais que o segundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.