Rafael Ribeiro/Divulgação
Rafael Ribeiro/Divulgação

Seleção brasileira tem novo dia de testes físicos na Granja Comary

Jogadores de linha se revezam entre os exames médicos e os trabalhos na academia

Agência Estado

27 de maio de 2014 | 19h08

TERESÓPOLIS - O segundo dia de treinos da seleção brasileira em preparação para a Copa, nesta terça-feira, na Granja Comary, mais uma vez foi dedicado aos exames médicos. As atividades comandadas pelos departamentos médico e de fisioterapia da CBF começaram na segunda-feira, quando a equipe se apresentou, e seguem até quarta-feira.

De acordo com a CBF, os jogadores de linha se revezam entre os exames médicos e os trabalhos na academia. As primeiras atividades são comandadas pelos Serafim Borges, José Luiz Runco e Rodrigo Lasmar e o pelo fisioterapeuta, enquanto o trabalho de condicionamento é orientado pelos preparadores físicos Paulo Paixão e Anselmo Sbragia.

Com a chegada de Marcelo, que disputou a final da Liga dos Campeões, sábado, pelo Real Madrid, a seleção ficou com o grupo completo nesta terça-feira. Nesses primeiros dias, o trabalho está focado em traçar um perfil da condição física de cada jogador, para moderar treinos e evitar lesões. A ideia é que todos cheguem à Copa na melhor forma física possível.

Os goleiros, que foram avaliados na segunda-feira, puderam ir a campo na Granja Comary para um primeiro específico comandado pelo preparador de goleiros Carlos Pracidelli. Foi a oportunidade de Victor e Jefferson terem contato pela primeira vez com a brazuca, a bola que será utilizada na Copa do Mundo.

Julio Cesar, porém, já está acostumada com ela. "Vinha treinando, jogando com ela, e isso me ajuda bastante para chegar aqui e desempenhar um bom trabalho. É uma boa bola, e acho que os jogadores de linha também vão gostar", comentou o goleiro titular, que utilizou a brazuca na temporada da MLS (Major League Soccer), defendendo o Toronto FC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.