Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Seleção brasileira trabalha contra-ataques e finalizações em treino

Defensores tiveram trabalho para conseguir segurar os atacantes do Brasil

Almir Leite e Leandro Silveira, Agência Estado

30 de maio de 2014 | 11h41

TERESÓPOLIS - A seleção brasileira iniciou o quinto dia de preparação para a Copa do Mundo com mais um treinamento na Granja Comary, em Teresópolis, em que o técnico Luiz Felipe Scolari teve à disposição todos os 23 jogadores convocados. E ele aproveitou para trabalhar a marcação nos contra-ataques e as jogadas de linha de fundo em um treino de defesa contra ataque. Posteriormente, fez um treino de finalizações.

Como tradicionalmente acontece, os goleiros foram os primeiros a descer ao campo 2 da Granja Comary, enquanto os jogadores ainda faziam exercícios na academia. Com a força máxima à disposição, Felipão iniciou o trabalho, após o aquecimento, com um trabalho de defesa contra ataque. Divididos em times, os zagueiros do elenco - David Luiz, Thiago Silva, Dante e Henrique - e também os primeiros volantes tentavam se defender dos avanços de meias, atacantes e laterais, com um trio de defensores enfrentando quatro jogadores mais ofensivos.

Depois, os jogadores do sistema defensivo também tiveram os reforços de companheiros que não são apenas marcadores, como Hernanes e Ramires. Os marcadores, então, seguiram tentando evitar as finalizações dos atacantes, sempre em número maior. E o trabalho foi realizado em ritmo intenso, o que inclusive provocou um susto, quando Bernard ficou caído após uma dividida. Mas ele se levantou rapidamente e seguiu treinando normalmente com os seus companheiros.

Após esse trabalho de defesa contra ataque, os jogadores da seleção brasileira passaram a realizar uma atividade de finalizações contra os goleiros, o que ainda não havia sido feito nesta semana em Teresópolis. Durante os cerca de 30 minutos do treino de chutes, o que se viu foram muitas conclusões nas nuvens, outro tanto que passava longe do gol, ao lado das traves, e vários chutes fracos, que facilitaram a vida dos goleiros.

Quanto maior a distância do gol, maior a dificuldade de acertar o alvo. E nos lances em que a bola era rolada por um companheiro para chutes de primeira, na maioria das vezes a bola passou bem alta sob a trave. Também teve chutes bisonhamente tortos. Fernandinho, Henrique, Daniel Alves e Dante foram alguns dos jogadores que isolaram ou "pegaram na orelha'' da bola durante o treinamento. Mas mesmo os mais habilidosos, como Neymar, tiveram aproveitamento ruim. Para concluir o treinamento no período da manhã, os jogadores participaram de um recreativo.

Encerrada a atividade da manhã desta sexta-feira, a seleção brasileira volta a treinar às 15h30. Na próxima terça-feira, em Goiânia, no Serra Dourada, a equipe disputa o seu primeiro amistoso na preparação para a Copa do Mundo, diante do Panamá. A estreia do time no Mundial será no dia 12 de junho, diante da Croácia, na Arena Corinthians, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.