CBG/Site oficial
CBG/Site oficial

Seleção de conjunto de Ginástica Rítmica conta com coreógrafo em ciclo olímpico

Rhony Ferreira ajuda a treinadora Camila Ferezin e a assistente técnica Bruna Martins na equipe

Estadão Conteúdo

12 de fevereiro de 2018 | 19h22

De olho no ciclo olímpico dos Jogos de Tóquio-2020, no Japão, a seleção brasileira de conjunto de Ginástica Rítmica segue com força total nos treinamentos no CT de Aracaju, capital do Sergipe, e, na última semana, contou com um reforço de peso para que as coreografias das séries saiam cada vez mais bonitas e perfeitas. Rhony Ferreira, técnico e coreógrafo da seleção de Ginástica Artística, trabalhou em conjunto com a treinadora Camila Ferezin e com a assistente técnica Bruna Martins, auxiliando no aperfeiçoamento das séries.

+ Comitê Olímpico dos EUA se desculpa com vítimas de Larry Nassar

O conjunto ganhou cinco novas integrantes este ano e está dando sequência a um forte trabalho, que já teve resultados expressivos no ano passado, com importantes resultados internacionais. Por isso, a presença e a experiência de Rhony Ferreira tem muito a agregar. "É um privilégio termos em nosso País um profissional tão gabaritado mundialmente. Temos uma referência em montagens coreográficas do nosso lado e sua bagagem profissional acrescenta muito para nós. Deu certo no ano passado e, sem dúvida, dará certo este ano", apontou Camila Ferezin.

Rhony Ferreira é preparador físico especialista em ginástica artística e rítmica, assistente técnico e coreógrafo de conjuntos de ginástica rítmica do Clube Agir, de Curitiba, professor expert da Federação Internacional de Ginástica (FIG) e leciona nas academias de formação de treinadores de ginástica artística, responsável pela composição coreográfica de solo e trave de equilíbrio.

Ele destaca essa interação com a seleção de conjunto desde 2016 para a montagem das séries que estão sendo trabalhadas durante o ciclo olímpico, bem como a manutenção delas de acordo com os objetivos da equipe. "Desta vez estamos trabalhando na elaboração das mudanças coreográficas dos dois conjuntos, a fim de aumentar o valor de partida dos mesmos, de acordo com as novas regras do código de pontuação para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Queremos elaborar sequências novas e criativas para mostrar uma ginástica mais moderna e que se iguale a das grandes potências mundiais do esporte", explicou.

O conjunto brasileiro segue o trabalho com as coreografias de cinco arcos com a canção "Gimme! Gimme! Gimme!", da banda sueca Abba, e a de duas cordas e três bolas, com um mix de duas músicas do compositor e pianista Havasi ("Prelude - Age of Heroes" e "Storm").

Tudo o que sabemos sobre:
ginástica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.