AFP
AFP

Seleção de handebol jogará mais vezes com equipes europeias

Após dar trabalho para seleções de alto escalão, treinador Jordi Ribera prevê mais duelos em preparação para a Olimpíada do Rio

VÍTOR MARQUES - ENVIADO ESPECIAL A DOHA, O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 13h16

Até os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, a seleção brasileira masculina de handebol vai jogar mais vezes contra equipes europeias. A ideia é disputar torneios amistosos e excursionar pela Europa, aproveitando brechas no calendário da modalidade. 

"Nos ajudaria muito jogar mais vezes contra equipes como Espanha e Croácia", afirmou o  técnico do Brasil, Jordi Ribera, após a eliminação no Mundial do Catar. Pelo planejamento da comissão técnica, o Brasil deve disputar o Torneio Quatro Nações com outras três seleções como forma de preparação para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, em julho. 

Esse torneio amistoso coincidiria com o final da temporada dos clubes europeus, onde jogam nove dos atletas da seleção brasileira. A Polônia, a Tunísia e o Egito foram convidados. 

"No final de outubro, haverá outra parada (no calendário), quem sabe podemos ir à Europa. Entre dezembro e janeiro também haverá atividades lá fora, podemos ser convidados", disse Ribera.

No Mundial do Catar, o Brasil caiu nas oitavas de final ao perder para a Croácia, domingo, por apenas um gol de diferença (26 a 25). Na primeira fase, a seleção brasileira já havia sido derrotada por Espanha e Eslovênia. 

O Brasil, eliminado pela segunda vez consecutiva nas oitavas de final, jamais alcançou as quartas de final em um Mundial masculino, esporte dominado pelos europeus. 

"Saímos tristes porque acho que merecíamos estar nas quartas de final. Mas mostramos argumentos que podemos vencer qualquer equipe, podemos dar um passo a mais", analisa Ribera.

COBRANÇA
Pela incompatibilidade do calendário europeu e do brasileiro, Ribera descarta trabalhar com uma "seleção permanente". O técnico, no entanto, disse que espera reunir ao menos uma parte do grupo com uma frequência maior. O técnico cobrou que o Centro de Treinamento do Handebol seja entregue o mais rápido possível.

"Esperamos que não demore muito. Tinha de entregar agora mas até agora não entregaram. Queríamos ter a nossa casa, como em qualquer esporte, para treinar, concentrar os jogadores, em vez de sermos uma seleção itinerante. Se tivermos um centro de treinamento, o salto qualitativo será maior."

O centro de treinamento do handebol foi construído em São Bernardo do Campo. Além das quadras de treinamento, haverá alojamento para os atletas. A promessa é que ele seja inaugurado em breve.

*O repórter viajou ao Mundial a convite da Federação Internacional de Handebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.