Scott Heppell/AP
Scott Heppell/AP

Seleção espanhola de futebol encara fracasso olímpico

Jogadores ficaram furiosos com o árbitro venezuelano Juan Soto depois que ele negou dois pênaltis à Espanha

IAIN ROGERS, Reuters

30 de julho de 2012 | 09h49

MADRI - Os torcedores de futebol espanhóis se viram forçados a encarar um caso raro de fracasso nesta segunda-feira, depois que sua seleção foi eliminada da Olimpíada de Londres sem marcar um único gol.

Derrotas chocantes para Japão e Honduras no Grupo D, ambas por 1 x 0, mandaram a Espanha para casa, e o jornal El Mundo, talvez prematuramente, declarou "um retorno à idade das trevas" em sua edição desta segunda-feira.

O diário esportivo Marca lamentou mais sobriamente "o final triste para uma seleção que chegou aos Jogos cheia de esperança e aspirações". Os jogadores espanhóis ficaram furiosos com o árbitro venezuelano Juan Soto depois que ele negou dois pênaltis no segundo tempo da partida de domingo.

Enquanto a seleção espanhola principal varreu todos de seu caminho majestosamente na Copa do Mundo e na Eurocopa, seu time sub-23 apresentou uma imagem lamentável ao mundo cercando o juiz raivosamente no apito final. "A Espanha disse adeus aos Jogos com um coquetel deprimente", escreveu o Marca, reclamando de "má sorte, má arbitragem e uma imagem terrível no apito final como resultado de uma tensão crescente durante a partida."

A eliminação da Espanha lhe privou da chance de acrescentar um título olímpico às suas coroas mundial e europeia, que ajudaram a soerguer um país lutando com o alto desemprego, medidas de austeridade severas e uma crise bancária.

O jornal El País disse que o desempenho do time em Londres, e o comportamento dos jogadores com os árbitros, prejudicaram a imagem do futebol espanhol. "O futebol nunca caiu bem na Olimpíada, mas com o brilho que atualmente destaca o país, era a hora certa de levar o esporte de volta ao apogeu que alcançou em 1992", declarou o diário, em referência à medalha de ouro nos Jogos de Barcelona.

"Mas ele não somente despencou de um penhasco, o fez beirando o ridículo contra adversários de pouco pedigree como Japão e Honduras. Um fracasso total."

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.