Seleção faz 'treino' com os Estados Unidos

Classificado para a fase final da Liga Mundial, time de Bernardinho volta após dois anos a jogar no Maracanãzinho

SÍLVIO BARSETTI / RIO, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2013 | 02h03

Já com a classificação garantida para a fase final da Liga Mundial, a seleção masculina de vôlei do Brasil, líder do Grupo A, enfrenta hoje e amanhã, no Rio, os Estados Unidos. Vai ser a volta da equipe nacional ao Ginásio do Maracanãzinho, onde não atuava desde junho de 2011. O confronto de hoje começa às 10 horas e o time do técnico Bernardinho deve ter algumas mudanças. Já é certo, por exemplo, que o ponteiro Dante vai ser poupado. Thiago Alves ocupará sua vaga.

"Apesar de o jogo não valer a classificação, é importante para entrosar e dar ritmo a todo grupo. Eu, com certeza, vou tentar aproveitar essa oportunidade da melhor maneira possível", afirmou o jogador, em entrevista ao site oficial da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

A expectativa maior da seleção é com relação à receptividade do público. O Maracanãzinho estará lotado e, como de costume, a torcida deve ter fôlego suficiente para apoiar o Brasil do início ao fim. Os ingressos para os dois jogos foram esgotados desde a semana passada.

Bernardinho também ficou de decidir ainda hoje se Leandro Vissotto será escalado. O jogador sentiu dores na panturrilha no treino de ontem e seria reavaliado pelos médicos da seleção. Se não tiver condições de enfrentar os EUA, cederá a vez para Wallace. Ainda na atividade de ontem, Bruno sentiu mal estar, mas está confirmado

"Nenhuma partida nossa foi fácil. Sabemos que eles têm pontos fortes e fracos. Vamos tentar eliminar ao máximo o ponto forte. E temos de trabalhar. Nosso time tem muito a melhorar. Precisamos errar menos, pois ainda estamos oscilando muito", disse Wallace.

"Jogar no Rio é sempre especial. A torcida, o ginásio, a cidade, tudo agrada. E vamos fazer o máximo para retribuir o carinho dos torcedores, disse o central Lucão.

Decisão. A fase final da Liga vai ser disputada entre 17 e 21, em Mar del Plata, na Argentina. Até agora, o Brasil é dono da terceira melhor campanha entre as 18 seleções da competição. Somou 19 pontos em oito partidas, com sete vitórias. Está atrás apenas de Holanda e Canadá.

Seis equipes vão disputar a etapa final, as duas primeiras dos Grupos A e B, e apenas a campeã do Grupo C. Uma vaga está assegurada para a Argentina, a anfitriã da fase decisiva. As seis seleções serão divididas em dois grupos de três. Avançam as duas melhores de cada chave para as semifinais e, depois, os vencedores disputam o título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.