Seleção festeja a defesa e tenta ''se achar'' no ataque

Já classificada para a 2.ª fase da Copa América, equipe busca melhor ofensividade, hoje, contra o Panamá

, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

Para a seleção brasileira masculina de basquete, a defesa tem sido, de fato, o melhor ataque. Nos três primeiros duelos na Copa América, a equipe se destacou pelo bom trabalho defensivo. Mas o técnico Moncho Monsalve admite que a efetividade ofensiva ainda vem deixando a desejar. Depois de um dia de folga, em que trabalhou justamente para tentar resolver esse problema, o Brasil volta ao Coliseu Roberto Clemente, hoje, às 17 horas (de Brasília), para enfrentar o Panamá. "A defesa tem sido extraordinária, mas algumas coisas ainda precisam ser melhoradas", alertou o treinador espanhol. "O jogo ofensivo do Brasil tem sido discreto. Temos que atuar melhor neste fundamento. Estamos um pouco passivos. Precisamos rodar o jogo e anotar." O destaque é o jogo coletivo. "A equipe tem sido muito disciplinada taticamente. Mesmo assim, precisamos melhorar no ataque se quisermos ir mais longe."Nas três vitórias até aqui - contra República Dominicana, Venezuela e Argentina -, o Brasil sofreu uma média de 67,3 pontos. Uma estatística comemorada pelo técnico. "Eu reitero: se o Brasil não chegar a sofrer 70 pontos, fica mais perto da vitória." Para o armador Marcelinho Huertas, os números comprovam uma equipe bastante equilibrada.O duelo contra os panamenhos é o último confronto do Grupo B na primeira fase. A equipe centro-americana foi chamada para o torneio na última hora, em substituição a Cuba, que desistiu da competição. Embora o Brasil já esteja classificado para a etapa seguinte, isso não quer dizer que o duelo de hoje servirá apenas para cumprir tabela. Dificilmente Moncho escalará uma equipe reserva.Apesar da divisão das 10 equipes em dois grupos, a classificação para as semifinais será definida pelo número de pontos conquistados. Por isso, o objetivo fixado por Moncho é de fechar a primeira parte do torneio com quatro vitórias. A segunda fase começa na terça-feira, quando o Brasil enfrenta os adversários do Grupo A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.