Seleção inicia maratona aérea para dois desafios

Grupo sai do Rio, vai para Guayaquil e Quito, antes de ir para Porto Alegre. E depois tem a volta para a Europa

Eduardo Maluf, TERESÓPOLIS, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

Jogador de futebol tem a profissão dos sonhos de boa parte dos brasileiros, ganha muito dinheiro e é famoso, mas não vive num mundo só de fábulas. A partir da tarde de hoje até a manhã de segunda-feira, em menos de 72 horas, os representantes da seleção brasileira vão enfrentar uma maratona aérea de não causar inveja a ninguém.E, por jogarem na Europa, o desgaste é ainda maior. Embora não digam publicamente, muitos só disputam as Eliminatórias Sul-Americanas para brigar por um lugar na Copa e evitar que a própria imagem se arranhe. Caso contrário, ficariam em seus clubes.Após o treino pela manhã e o almoço, o elenco segue de ônibus de Teresópolis para o Rio. A decolagem com destino a Guayaquil, no Equador, está prevista para as 15 horas. A chegada deverá ocorrer apenas oito horas mais tarde.A seleção permanece em Guayaquil amanhã e embarca para Quito, local do confronto com o Equador, na manhã de domingo. O tempo de voo é de uma hora. Acabado o jogo, por volta das 20 horas (horário de Brasília) a delegação atende a imprensa e vai até o aeroporto da capital equatoriana, de onde viajará para Porto Alegre, sempre em voo fretado.PRAZER Serão mais 10 horas dentro do avião. Os jogadores treinam à tarde na segunda e na terça e vão a campo na quarta para enfrentar o Peru, às 21h50, no Beira-Rio. No dia seguinte, terão de ir a São Paulo para encarar mais 10 ou 12 horas de viagem até a Europa. "Apesar do desgaste, é sempre um prazer defender a seleção", garantiu o atacante Adriano, da Internazionale de Milão. "Além de encontrarmos nossos amigos, é muito bom jogar pelo Brasil", completou o jogador, que ficará no banco de reservas em Quito.O mesmo diz Elano, do Manchester City. De acordo com o meia, o bom ambiente entre os jogadores minimiza bastante os efeitos do desgaste das viagens e dos jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.