Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Seleção masculina de handebol bate Chile e vai à final no Pan

Invicta, equipe faz 34 a 24 na semifinal e buscará o ouro no sábado

NATHALIA GARCIA, ENVIADA ESPECIAL A TORONTO, O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2015 | 16h17

O handebol garantiu nesta quinta-feira mais uma medalha - ainda sem cor definida - para a conta do Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Invicta, a seleção masculina cresceu ao longo da partida e superou o Chile por 34 a 24 na semifinal. Com a vitória, brigará pelo ouro no próximo sábado, às 21 horas (de Brasília).

Na decisão, a seleção brasileira encara o vencedor do confronto entre Uruguai e Argentina. Um duelo com os argentinos reeditaria a final do Pan de Guadalajara, de 2011, quando o Brasil amargou a medalha de prata - somando Jogos e campeonatos pan-americanos, brasileiros e argentinos se enfrentaram em dez finais seguidas e o Brasil perdeu as últimas quatro.

A caminhada da seleção até a semifinal foi bastante tranquila. O time masculino bateu o anfitrião Canadá por 34 a 17 na estreia, arrasou o Uruguai por 38 a 18 na sequência e, na última rodada da fase preliminar, atropelou a República Dominicana por 48 a 18.

O time comandado pelo técnico Jordi Ribera começou o jogo em um ritmo lento, atrás no placar, sofrendo para passar pela marcação dos chilenos e deixando os rivais jogarem com mais liberdade. Após acertar o sistema defensivo, os brasileiros arrancaram alguns contra-ataques e se colocaram na briga.

O ponta Fábio Chiuffa aproveitou bem o espaço no lado direito da quadra e, a partir disso, o Brasil deslanchou no jogo. As defesas de Bombom, especialmente dos 9 metros, e o bom aproveitamento do pivô no ataque também ajudaram o País a abrir vantagem. O placar marcava 19 a 12 para os brasileiros no fim do primeiro tempo.

O segundo tempo começou mais brigado, com os chilenos apertando a marcação e dificultando a vida dos brasileiros no ataque. Punições de dois minutos foram aplicadas aos dois times pelo contato mais forte entre os jogadores. Impaciente, o Brasil desperdiçou chances de gol, enquanto Chile encontrou um buraco na defesa rival e somou algumas bolas.

O pivô Esteban Salinas carregou o time chileno nas costas, com 10 gols. Pelo lado do Brasil, Oswaldo teve uma boa atuação na segunda etapa e até recebeu marcação individual do adversário. Após defender um tiro de 7 metros, o goleiro Maik pediu vibração do banco de reservas. O que não faltou foi empolgação dos "chapolins", vestidos nas cores verde e amarelo, que empurraram os jogadores das arquibancadas aos gritos de "adiós, Chile".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.