Seleção também é vítima de furto em hotel

Kléber e fisioterapeuta relataram sumiço de dinheiro e agasalho

Sílvio Barsetti e Luiz Antônio Prósperi, PRETÓRIA, O Estadao de S.Paulo

22 de junho de 2009 | 00h00

A seleção brasileira foi a segunda delegação estrangeira vítima de furto na África do Sul. A revelação partiu do técnico Dunga, em tom exaltado, após a vitória do Brasil sobre a Itália, ontem, em Pretória. O fisioterapeuta Odir Carmo e o lateral Kléber relataram à comissão técnica que uma quantia em dinheiro, não revelada à imprensa, sumiu dos quartos de ambos. Carmo também acusou a falta de um agasalho.O crime teria ocorrido na sexta-feira no Centurion Lake Hotel, onde a equipe está hospedada desde o dia 15. A CBF não fez queixa formal à Fifa, mas protestou com a direção do hotel e os policiais que fazem a segurança da seleção.Na entrevista, Dunga ouviu a pergunta de um jornalista sul-africano, que queria saber as impressões dele sobre Pretória. O técnico começou a responder enaltecendo o Versfeld Stadium (local do clássico), elogiou os campos de treinamento e as condições gerais. Em seguida, fez uma ressalva. "Estava tudo bem, mas infelizmente, tivemos roubo no hotel, assim como aconteceu com o Egito."A delegação egípcia sofreu problema parecido na quinta-feira, após o jogo em que venceu a Itália por 1 a 0. No hotel da delegação, em Johannesburgo, cinco quartos foram saqueados. Foram levados US$ 2.500 dólares em dinheiro. De acordo com a CBF, a direção do Centurion Lake Hotel prometeu dar uma solução rápida para o caso. KAKÁ ENTUSIASMADOUm dos melhores jogadores da seleção ontem, Kaká está empolgado com a seleção. "O time se achou. A seleção está cada vez melhor??, disse. O meia reconhece que é preciso pensar primeiro na África do Sul, mas admite: "O jogo com a Espanha (numa possível final) é esperado por todos??.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.