Seletiva de Remo empolga técnico da seleção

Terminou neste domingo a segunda seletiva nacional de remo para a seleção brasileira que se prepara aos Jogos Olímpicos de Atenas e aos Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007. Do total de 65 atletas, cerca de 20 permaneceram na disputa à equipe principal e 15 serão trabalhados para a competição continental.Durante a semana, a comissão técnica da seleção divulgará os nomes que em março retornarão à Lagoa Rodrigo de Freitas para a escolha definitiva. A expectativa é a de que, ao final dos testes, dez competidores sejam selecionados para representar o Brasil em Atenas. "Os atletas mostraram evolução desde os primeiros testes que realizamos, em novembro de 2003", avaliou o técnico da seleção, o argentino Ricardo Ibarra. "Foi muito bom ver surgir jovens remadores de boa técnica e talento."Após a seletiva de março, a nova seleção participará da Regata Pré-Olímpica Latino Americana, em El Salvador, onde competirá nas modalidades masculina e feminina do single skiff e double skiff peso leve. Em seguida, a equipe tentará obter uma vaga à Atenas durante as eliminatórias européia em junho, na Suíça, competindo com somente um barco em uma das categorias masculina, a escolher: four skiff ou quatro sem ou dois sem ou double skiff.Para evitar um vexame no Pan-Americano de 2007 e entusiasmado com os atletas, Ibarra tem ambições de tornar o País hegemônico no esporte. Por isso, o treinador já iniciou a seleção dos valores que serão preparados para a disputa continental. "Já trabalhamos para o Pan de 2007. Mas estamos no começo de tudo. Temos quatro anos para montar um time e assegurar de três a seis medalhas de ouro. Pode me cobrar depois", frisou o técnico da seleção. "E já apareceram bons nomes como Mariana Cadore, João Soares, Ana Carolina Custódio e José Rodrigo."Currículo - Atleta do Martinelli, de Santa Catarina, João Soares, de 17 anos, já colecionou alguns títulos: foi vice-campeão sul-americano Júnior no Chile em 2003, no double e four skiff, além de medalha de ouro no double skiff e prata no four skiff nos Jogos Pan-Americanos Júnior do México, em 2002.Treinando diariamente por quatro horas, o atleta não escondeu sua preferência por remar acompanhado e sua confiança de que, "em breve", o Brasil ganhará sem dificuldades de qualquer país sul-americano. "Vim aqui mostrar o trabalho que estou desenvolvendo em Santa Catarina e tentar fazer o meu melhor. Prefiro remar em barcos com dois atletas para cima. Não me sinto bem competindo sozinho em uma embarcação", contou Soares. "O Brasil tem tudo para ganhar fácil dos outros países. E vamos ganhar, desde que um trabalho específico, como esta seletiva, continue a ser feito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.